Ads 468x60px

21 de dez de 2013

Black Beat Brasil!!! R&B na veia!!!

Black Beat Brasil
Então, galerinha, dei uma paradinha aí na história do Boyzone, por que estava trabalhando cerca de 12 horas por dia. No restante do tempo eu tinha que comer, tomar banho, dormir... Mas estou voltando aos pouquinhos. E hoje queria dar uma dica bacaninha. A webrádio Black Beat Brasil está de volta com força total. O que mais gosto?!? É uma rádio nacional, que toca o fino do R&B o tempo todinho... E, quando digo R&B, eu falo do 'charme', o movimento black dos anos 90. À partir de agora vou tentar dar uma pincelada em assuntos pertinentes a este que é meu estilo favorito de música. 

A minha proposta inicial, quando desenhei um site com o nome 'Addicted to Music' há 10 anos atrás, mais ou menos, era justamente disponibilizar biografias e histórias do universo R&B em Português. Encontrávamos muito material escrito sobre bandas como Boyz II Men, Dru Hill, Jodeci, e outras, em Inglês. O público brasileiro não tinha muito acesso ao que o americano era inundado. Fiz um site modesto, e coloquei minha primeira história: Boyz II Men. Inocente, não protegi a página de cópias, e vocês que me acompanham sabem que meu texto é um pouquinho pessoal e sarcástico. A decepção foi gigantesca quando achei um site só sobre a banda em Português, com o meu texto lá, todinho copiado, e nenhuma referência a mim ou ao meu site. Durante um tempo continuei com meu projeto, mas restringi o assunto a outro amor da minha vida: New Kids on the Block. E fiz muitas amizades com BlockHeads por causa disso. 

O trabalho, o falecimento da minha mãe, e outros problemas pessoais me fizeram desistir de tudo, e acabei encerrando os trabalhos com o site. Recentemente, com saudade de falar sobre música, resolvi abrir este blog que temos agora, e aos poucos ir colocando os conteúdos que mais me agradavam. Não tinha entrado de sola no assunto R&B por conta da amarga experiência anterior - que não tive com fãs de outros estilos -, mas a amizade com os DJ's da Black Beat me trouxe de volta essa motivação... Então, vamos falar de R&B?!? 

Então, pra começar, posso ser chata? Alguns amigos meus dizem que eu sou briguenta... É que é meio desapontante quando você escuta uma pessoa, principalmente um negão, dizendo que Rihanna é R&B!!! Aí enfraquece o sangue, né? Por que eu sou nipônica, sofro preconceito nas baladas de Nostalgia e de Samba Rock por que não sou melaninada, mas não falo esse tipo de sandice por aí. Rihanna não é R&B. Ela é Urban! E qual é a diferença, July???

Patty Labelle, cortesia de Mr. L. Davis
Pois bem, vamos começar do começo. R&B é uma sigla para Rhythm & Blues, que grosseiramente significa Ritmo e Tristeza. Rigorosamente trata-se de cantar a dor de cotovelo. Como já foi citado na história do grupo Drifters, o termo foi 'inventado' por um jornalista para determinar o tipo de som que eles faziam. Por que antes do R&B, que surgiu nos anos 40, existia a Race Music e o Doo Wop. Chamava-se Race Music qualquer som feito por negros, que se assemelhasse ao gospel cantado nas igrejas que eles frequentavam. O canto gospel negro é bem característico, por que usa o que chamamos de lamentação. Aqueles gritos exagerados, cheios de falsetes e modulações, que no gospel servem para expressar a dor do cidadão, e fazer com que Deus escute suas preces... E é por isso, basicamente, que Deus abençoa mais à Patty Labelle do que você - haha. 

Então, a Race Music era o som secular, que não falava de Deus, mas que tinha essas características do gritos e modulações, e uma batida bem definida. Só os negros escutavam, só os negros gostavam, os brancos achavam uma pouca vergonha e tudo o mais. 

Na mesma época, o Doo Wop tinha um pouco da excelência vocal do gospel, aproveitando principalmente as harmonias corais. Era uma som mais animado, de festa. E logo caiu no gosto dos adolescente brancos que queriam contrariar seus pais quadrados. A evolução branca do 'Doo Wop' é o Rock 'N Roll. Sério... Acreditem em mim... 

A Race Music, por ser mais cadenciada, custou mais para cair no gosto popular, por que era uma música típica dos adultos, e não dos adolescentes. Mas, eventualmente, um contra-tenor fantástico e suas composições bacaninhas, falando sempre de amor, de uma maneira bem melosa, conseguiram vencer esta barreira, e a música passou a ser tolerada nas paradas pop dos Estados Unidos - e do mundo, consequentemente. A imagem de bons moços, limpinhos apesar de serem negros, dos integrantes do Drifters, só ajudou a popularizar aquela música. Mas chamá-la de Race Music (música racial) não ajudava. E foi aí que surgiu a necessidade do novo nome: R&B. Era uma música ritmada, cadenciada (Rhythm), com vocais apaixonados, afetados, interpretados, copiados do gospel, e letras melosas, que falavam das dores do amor (Blues). 

Da década de 40, quando o Drifters dominava as paradas, até a década de 90, quando Boyz II Men tomou o mundo de assalto, pouco mudou. Houve apenas um salto na época de ouro da Motown - década de 60 - com a 'invenção' do que foi chamado de 'o som da Motown'. Tratava-se de uma batida de fundo grave, de percussão, que vinha como base em todas as músicas, de forma cadenciada, lembrando a batida do coração. Esta batida passou a determinar o ritmo do que era chamado R&B. Nos anos 90 tudo permaneceu lá, e passou a ser comum que um dos integrantes das bandas fosse especialmente designado para os lamentos. No Boyz II Men, esta era a função de Wanya Morris. 

Então, é isso... O R&B é composto basicamente por três elementos: a batida de fundo, no ritmo do coração, o lamento, e - quem lamenta, é por algum motivo - a dor de cotovelo. Precisa ter essas coisas para ser rigorosamente chamado de R&B. 

Sisqo, cortesia de Supajam.
E Rihanna? Bom, ela tem a dor de cotovelo, às vezes... Ela tem a batida do coração, às vezes. Ela tem os lamentos, às vezes... Difícil é colocar tudo numa mesma música! O que chamamos de Urban? Aquelas músicas que estão no meio do caminho entre o pop e o R&B. Aquelas que cheiram como R&B, tem algum elemento do R&B, mas também contém uma tonelada de elementos do pop e da música eletrônica. Esse termo Urban foi inicialmente criado por DJ's norte americanos para denominar artistas de 'cross over' (misturas). Os latinos que faziam sons parecidos com R&B, negros que faziam um som mais semelhante ao Hip Hop (outro capítulo de nossa saga)... Urban, ou urbano, é o som das cidades grandes. Por que no interior não era comum achar pessoas ouvindo esse tipo de som, mais moderninho. No interior até a black music tinha que se disfarçar de country. Um exemplo de Urban??? A música 'Thong Song', do Sisqo. 

No Brasil? R&B virou sinônimo de 'Charme'. Por que, aparentemente, para a maior parte de nossa população, é difícil pronunciar R&B (ar-en-bi). A música ficou conhecida como charme, por ser cadenciada e romântica. Era a música escolhida pelos canalhinhas nas baladas para fazer um charme e pegar as gatinhas... E eu não estou brincando!

E, é isso. Se você ouviu um som, e sentiu vontade de chorar junto com o interprete, isto é R&B. Se quis dançar por que seu coração estava acompanhando a batida, isto é R&B. Se quis gritar junto, e brincou de modular a voz e fazer falsete, tudo na mesma estrofe, isto é R&B. O resto é Urban... E se depois desse texto eu ouvir algum inculto chamar Rihanna de R&B de novo ou, pior, dizer que All-4-One parece Backstreet Boys - já ouvi esta heresia algumas vezes - vou começar a assassinar pessoas!!!







JulyN.
More ►

PQP!!! Dentro da fábula chamada Brasil a floresta encantada deve ser São Paulo!!!

São duas e meia da madrugada e eu estava dormindo pesado, até ser acordada por uns barulhos altos, que me assustaram. Parecia que uma janela aqui do prédio em que moro estava caindo. As janelas aqui são de alumínio, e o barulho que eu ouvia continuamente se assemelhava a algo batendo no metal. Fiquei preocupada, por que estou com visita em um dos quartos, e achei que algo pudesse estar acontecendo. Levantei para conferir. Mais acordada, percebi que o barulho vinha da rua. Eu moro no quinto andar de um prédio mais ou menos antigo, e qualquer barulho na rua vazia ecoa e é ouvido aqui como se tivesse sido produzido dentro do apartamento. Mas, enfim, quem é o ser sem noção fazendo barulho na rua às 2 da matina? 

O caso é que aqui temos sobrelojas. E uma delas esta alugada para uma distribuidora de água. E estamos em São Paulo. E aqui é uma área de exclusão máxima de circulação de caminhões... Vamos explicar tudo isso direitinho...

Era uma vez uma floresta encantada chamada São Paulo. Esta floresta tinha um governante geral, chamado Gilberto Kassab. E um dia ele achou que fosse uma grande ideia impedir a livre circulação de caminhões nesta floresta, achando que isso ia resolver o problema eterno do trânsito do local. E falando assim parece mesmo uma boa ideia... Mas esta floresta em particular é conhecida por uma vida comercial agitada. Produtos têm que entrar e sair daqui em grande escala. A tal restrição de circulação funcionaria assim: durante o horário comercial e de grande circulação de carros na área central, os caminhões seriam proibidos. Ou seja, o dia todo. Em outros locais, a proibição se restringiria aos horários de maior circulação de carros, apenas. Na prática, os caminhões, então, ficaram proibidos de circular pela cidade das cinco da manhã às nove da noite. E eis o primeiro ingrediente do MEU PROBLEMA.

Os moradores desta fábula - oops, país - também não colaboram... Pra que, né? Pra que tentar pensar nos outros, né? Isso dá muito trabalho. Então, a restrição de circulação dos caminhões acontece até às nove da noite... Barulho de carga e descarga de galões de água na minha porta seria até aceitável às dez da noite, ou onze... Às duas da manhã já me deixa bastante irritada. Aí, os meninos fazendo o serviço 'brincam' de jogar os galões vazios na caçamba de metal do caminhão, e enquanto isso vão falando alto uns com os outros... Por que dane-se quem está dormindo, não é? Eles estão bem acordados às duas da manhã!

Este era o barulho de matal batendo que eu estava ouvindo, e quando me dei conta disso, brasileira anômala que sou, imaginei logo que se eu, do quinto andar, tinha acordado com essa perturbação, o que estaria sendo do senhor de uns 80 anos que mora no primeiro andar??? Agasalhei-me para esconder o pijama, e desci para pedir silêncio. Fui educada, pedi aos meninos que diminuíssem o barulho, tomando mais cuidado no manuseio dos galões. 'Eu moro no quinto andar, e o barulho de vocês está ecoando. Isto é um prédio residencial!' A resposta que eu ouvi foi de um verdadeiro brasileiro, normal, com todas as faculdades mentais preservadas (não um anômalo, como eu): 'eu sei, senhora, mas eu estou trabalhando, e não tem jeito!' Ao que eu, ainda achando estar conversando com um anormal feito eu, respondi: 'eu sei, mas vocês podem trabalhar tomando mais cuidado. Não arremessem os galões pra dentro da caçamba, evitem que eles se batam um com o outro. Eu acordei com o barulho dos arremessos...' Ele pediu desculpas, e o barulho diminuiu. Ele fez um esforço... Mas o estrago estava feito. Irritada e acordada, resolvi escrever este texto. 

Quando meu sono é perturbado desta forma, para quem eu reclamo??? Quem defende meu direito de dormir??? Estou pedindo demais desta fábula??? Fico indignada com a falta de semancol dos habitantes desta floresta, irrito-me, quero que melhore. Mas é possível???

O MEU PROBLEMA é o SEU PROBLEMA??? Opine, deixe sua história nos comentários. Eu vou estudar para tentar encontrar a resposta para meus questionamentos, e quem sabe isso não vai te ajudar também?!?









JulyN.
More ►

13 de dez de 2013

Nesta fábula chamada Brasil... O triste espetáculo do nosso Futebol!

Cedido por OGLOBO.
Eu passei um pouco mais de um mês trabalhando muito, sem ter tempo de ficar acompanhando as notícias do país e do mundo. Na minha semaninha de folga forçada, vi de um tudo, e só não me surpreendi com as notícias por que já sabia que vivia no país da inversão, pra dizer o mínimo. Meus comentários não estão em ordem de acontecimento. Estão mais para a ordem do que me chamou a atenção. Acompanhem comigo...

Não é todo o dia que vemos um bando de sei lá o que - por que me recuso a chamá-los de seres humanos - se pegando e se batendo sem um motivo válido e inteligente numa arquibancada de estádio. Ok, eu poderia estar falando de qualquer jogo Corinthians versus 'A Puta Que O Pariu',- e eu sou corinthiana - mas, incrivelmente não é isso!!! Estou falando daquelas cenas mais que absurdas no jogo do Atlético Paranaense contra o Vasco da Gama. Enfim... O que dizer sobre retardados mentais... Ah, não, estou ofendendo a garotadinha que tem problemas cognitivos, mas que não é selvagem feito esses seres anormais que estavam neste jogo... Enfim, nem tem como ofender essas coisas sem acabar ofendendo qualquer classe que pertença ao xingamento usado. Minha pergunta é simples: qual o motivo da briga? Se alguém conseguir me responder isso, e com essa resposta me convencer de que havia uma razão inteligente e legítima para dar chutes e pauladas na cabeça de quem quer que fosse, bem, eu retiro esta parte da postagem...



Este vídeo foi gentilmente postado pela TV Revolta, no Youtube. Continuando, por que desgraça pouca é Europa. E nós estamos falando de Brasil... Como se não bastasse esse show de horrores ocorrido em campo, a subsequente discussão sobre responsabilidades e punições foi mais lamentável ainda, por que feriu não só quem estava lá, mas também toda uma nação. Foi um triste bate-boca sobre quem era o responsável por controlar o bando de animais - de novo, acabo ofendendo os animais -, quem deveria chamar a polícia, quem deveria impedir a entrada de gente que já tinha ficha na polícia por esse tipo de episódio... Enfim... Meus cabelinhos se ouriçaram com essa constatação de que havia no bando gente fichada por outros espetáculos lamentáveis como este. Quer dizer que o cidadão vai preso por ser um boçal, é liberado, compra ingresso pra outro jogo, não se exige nenhuma documentação dele, e ele entra num estádio de futebol de um país que sediará a copa, e em nenhum desses momentos ninguém o barra por conta da ficha nada limpa dele??? CARALHO!!! 

Aí, depois do jogo da batata quente, veio a mentira das punições... Multinha pros clubes, perda de mando de jogos... Cadeia pra alguém??? NÃO!!! Pra que, né? O cara chuta e dá paulada e não vai pra cadeia por tentativa de homicídio... Claro... Por que o estádio de futebol é uma bolha onde a CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA não tem validade. Só pode ser isso!!! Pra mim, já tinha que começar prendendo os presidentes das torcidas organizadas. Por que quem se intitula presidente de alguma coisa, está ocupando um cargo de RESPONSABILIDADE... Eu estou errada? Na lei do consumidor, o fabricante não é responsabilizado pelos atos de seus prepostos? (Assistindo muito ao Celso Russomano)  Pois é, neste caso o preposto boçal do presidente da torcida organizada - lê-se desculpa esfarrapada para um bando de coisas mal acabadas se unirem e fazerem idiotices - fez toda essa baderna no estádio. O presidente da torcida, que o levou em carreata até lá deveria ser criminalmente responsabilizado pelos atos do idiota, e civilmente também, arcando com as custas - os estragos no estádio. Acho que assim a violência nos estádios seria menor... Mas é o que fazemos??? Não... Pra que? É claro que 12 jogos fora de seu estádio vai revolver tudo. Resolve só pra quem paga a conta dos estragos neste estádio, por que a torcida vai quebrar os estádios dos outros por 12 jogos. Palhaçada!!!









JulyN.
More ►