Ads 468x60px

27 de fev de 2013

85th... Ah, é do Oscar que vamos falar!!!

Oi, gente!!! Estou um pouco sumida das redes sociais e da net em geral, por que estou meio doentinha e sem muito ânimo de ficar lendo uma porção de coisas. Gosto de ler os posts de todos os amigos, de saber o que está se passando nas mais variadas cabecinhas que eu acompanho, e, quando é pertinente, opinar. E isso dá trabalho!!! Enfim, vou retornando aos pouquinhos, ok? Achei que seria importante começar atualizando os blogs para que vocês tivessem o que discutir também. E este post aqui deveria ter sido colocado imediatamente após a grande festa do cinema internacional. Mas não deu... Enfim, estou aqui agora, e vamos falar um pouquinho sobre a octogésima quinta edição de premiações da Academia de Artes e Ciência Cinematográficas. Vocês sabiam que este é o verdadeiro nome dos 'Oscars'?

Seth McFarlane. Poderia ser Christopher Knight... 
Pois bem, no nosso 'Addicted to Music' eu fiz um vasto e cansativo comentário sobre o 'Grammy'. Dá uma checada lá, pra entender esse primeiro comentário: podiam ter chamado o L.L. Cool J. pra apresentar o Oscar, né? Alguém aí conhece Seth McFarlane? Ele passou a ser importante para mim quando contratou o Mark Wahlberg para fazer 'Ted'. Normalmente é assim que as pessoas se tornam importantes para mim. Mas, antes disso, o nome já não era estranho. Sou uma das poucas malucas que realmente lê os créditos de produção das coisas que assisto. Com os desenhos não é diferente. Em alguns populares desenhos, como 'Family Guy', o nome aparece em destaque. Seth é roteirista e produtor deste desenho, entre outros. Se olhar o Wikipedia sobre ele, perceberá que é um cara de múltiplos talentos, aparentemente bastante inteligente, e preparado para o sucesso. Ele só não sabe apresentar o Oscar! Tá certo que é a primeira vez que o apresentador é pelo menos agradável de se olhar. O Seth é bonitão - e parece demais com o Christopher Knight da Família Sol-Lá-Si-Dó-, tem uma voz linda de locutor de rádio e tem um sorriso muito fofinho. O que estragou tudo isso pra mim é que ele é a voz do ursinho Ted no filme que ele produziu, e enquanto eu o ouvia, ficava esperando que o bichinho aparecesse. E apareceu! Trazendo o Mark a tira-colo, pra apresentar um prêmio lá... E eu devia ter ficado feliz com com isso!


Então, as piadinhas do Seth são politicamente incorretas, mas ele procura (às vezes sem sucesso) não ofender ninguém. Ele na verdade é um mestre em criticar os estilos de vida, e não as pessoas inseridas nele. Assistam aos filmes e desenhos que o tem na conta de roteirista e entenderão do que eu estou falando. Para o Oscar isso não funcionou tão bem assim. Ele ficou meio deslocado. Por que, afinal de contas, aquela sala representa tudo, menos um estilo de vida conhecido e praticado pela maioria das pessoas do mundo, né? Enfim... O número de abertura foi grotesco, ele contou com a ajuda do William Shatner... pra quem não conhece o cara, ele é mundialmente cultuado como o primeiro (da série original) capitão Kirk, de 'Star Trek'. O caso é que esse ator tem sarcasmo escrito em sua testa, e isso às vezes soa antipático.  Enfim... Como se não bastasse isso, Seth colocou Daniel Radcliffe e Joseth Gordon-Levitt cantando e dançando, como num musical dos anos cinquenta. Sou só eu a achar bizarro ver o Harry Potter dançando e cantando?

Gordon-Levitt, McFarlane e Radcliffe.

Enfim... Quase vinte minutos de um número de abertura, ou melhor dizendo, de vários números de abertura, com gente dançando e cantando, Seth e William Shatner fazendo piadas sem graça, Sally Field atuando e mostrando como se faz... E depois ficaram aumentando a musiquinha pra apressar os agradecimentos e cortando microfones por vezes. Pô... Nem vou comentar a sacanagem que isso representa. 

Enfim, falemos das premiações propriamente ditas, dos filmes que estavam concorrendo... O primeiro prêmio entregue na transmissão foi o de ator coadjuvante. Antes de qualquer consideração à respeito dos nominados, deixe-me fazer um elogio à moça que apresentou o prêmio. A atriz Octavia Spencer estava belíssima num vestido que - pesquisei - era assinado por Tadashi Shoji. Ela é gordinha, e, diferente de outras celebridades com o mesmo corpinho, ela sabe se vestir. Estava impecável e parecia bastante confortável. Enfim... Eu, como gordinha, adoro ver coisas assim. Vamos aos indicados à melhor coadjuvante? Esta foi uma categoria pário duro. Filmes bons, atores já reconhecidos em outras ocasiões:

Christoph Waltz em 'Django Livre'.

  • Christoph Waltz ('Django Livre')
  • Philip Seymour-Hoffman ('O Mestre')
  • Robert De Niro ('O Lado Bom da Vida')
  • Tommy Lee Jones ('Lincoln')
  • Alan Arkin ('Argo')


Ainda não assisti à 'O Mestre' e 'Django Livre'. Só o segundo já estava na minha lista de filmes a assistir. Mas, depois de ver a atuação de Philip Seymour-Hoffman no primeiro, vou correr atrás dele também. Então, a gente nem percebe que é o Tommy Lee Jones no 'Lincoln'. É tanta gente boa no filme, e o Daniel Day-Lewis está tão Lincoln, que a gente se distrai com isso. Argo é um filme muito bem feito, que nos faz prestar atenção nas minúcias da história e não nos atores. E Robert de Niro está fantástico em 'O Lado Bom da Vida'.  Ganhou Christoph Waltz, que eu só vou poder comentar depois de ver o filme. Mas estou acreditando que é bom, por que é mais uma molecagem do Quentin Tarantino. Eu não tinha um favorito nesta categoria. Mas seria legal ver o Robert de Niro aceitando o Oscar...

A heroína de 'Valente'.
Paul Rudd e Melissa McCarthy fizeram piadinhas tediosas e gastaram tempo precioso na apresentação das categorias de animação. Sem contar que ela foi um excelente exemplo de gordinha que se veste mal! Bom, como esta é uma categoria pouco visada, vamos resumir falando apenas quem foram os vencedores. Na categoria curta de animação deu um filme chamado 'Paperman', que eu não sei se alguém aí conhece. E no longa deu 'Valente', da Disney, é claro. Com direito a um homem de Kilt agradecendo pelo prêmio (deve ser o produtor do filme). Foi-se o tempo em que esta era uma das categorias mais concorridas. Vocês lembram do começo dos anos noventa, com as grandes produções da Disney? Ah é, o filme do Tim Burton estava concorrendo na mesma categoria... 

Reese Whitherspoon apresentou trechos dos três primeiros indicados a melhor filme. Então, aqui eu faço um adendo à 'nova' organização do Oscar. Elogios e criticas. Quanto à apresentação dos filmes, melhorou, se comparado aos anos noventa - quando eu assistia a premiação como se fosse a melhor coisa do mundo. Agora não há limites de indicações na categoria de melhor filme. Este ano, por exemplo, havia nove indicados. Acho justo, por que assim se contempla uma maior gama de estilos e se reconhece devidamente o brilhantismo de tudo que foi feito no ano. Minha crítica é para a minha categoria favorita... Música. As apresentações de uns dez anos pra cá ficaram irrisórias. Não se dá mais a devida importância às músicas. Este ano houve muita musica no Oscar, por que havia uma homenagem ao ressurgimento dos musicais, que completa dez anos, através do filme Chicago. Mas duas músicas indicadas (incluindo a música das Aventuras de Pi) não foram apresentadas, e as que foram não tiveram a devida atenção. Eu gostava quando haviam esses grandes números com cenários montados e os cantores dando o melhor de si. Lembro-me das músicas indicadas da Disney, de ver 'A Whople New World' sendo cantada no cenário de Agrabah, Ou as músicas do Rei Leão sendo apresentadas com bailarinos fantasiados no palco. Celine Dion e Peabo Bryson cantando, enquanto uma dupla de bailarinos fantasiados de Bela e Fera dançavam... Era tão legal. Agora, é tudo tão simplesinho... Enfim... Vamos falar de todos os filmes indicados na grande categoria da noite depois, ok?

E aí, depois de uma das poucas piadinhas do Seth que funcionou (assistam pra saber qual foi, se quiserem o download me deem um toque), entrou no palco o elenco de 'Os Vingadores'... Silêncio respeitoso é o que eu estou ouvindo... Enfim, vou descrever o que vi: Mark Ruffalo e os outros, incluindo aquele cara cujo rosto me perturba muito desde que assisti a sua interpretação no filme sobre a vida de Jeffrey Dahmer... Ok, ok... Eu também vi o Robert Downey Jr. Mas meu amor ali é o Mark... Estão sacando um padrão? Mark's da minha vida... KKK! Enfim, eles agiram como seus personagens para apresentar alguns prêmios técnicos. Não é necessário dizer que 'As Aventuras de Pi' levou tudo aí, né. Belíssimo filme... Eu tentei ver em 3D nos cinemas, mas cadê que a gente achava cópias legendadas do bichinho em horários praticáveis? Acabei vendo a versão 2D mesmo. Grande decepção da minha vida cinematográfica no ano que passou. Eu teria curtido demais esta aventura no mar em 3D.

E os prêmios técnicos se seguiram, agora nas categorias de caracterização, com Jennifer Aniston e Channing Tatum. Lindo vestido, linda postura, os dois muito agradáveis de olhar e se ouvir. 'Anna Karenina' ganhou pelas roupas e 'Os Miseráveis' ganhou pela maquiagem. 

Halle Berry entrou com um vestidinho de arrasar, para homenagear os cinquenta anos de 007. O vestido foi feito pela casa Versace, sob medida para ela. Eu estava esperando este momento. Uma lenda da música, Shirley Bassey, ia cantar um dos temas. Eu estava toda empolgada. Infelizmente, a apresentação não foi tudo aquilo que eu imaginava. Não sei se só a velhice, ou também o estilo de vida, tirou um pouco da competência vocal que eu esperava ver nessa apresentação. Enfim... Nem vou comentar o vestido dela, os detalhes de acabamento mal feitos, e o fato do caimento em Shirley não estar bonito... Opa, acho que acabei de comentar. Acho que as estrelas aplaudiram de pé em respeito a sua história e não tanto pela apresentação. 

Depois disso veio os prêmios de curtas, vamos pular isso... KKK. Jamie Foxx e Kerry Washington apresentaram. Ela estava linda. Vamos seguir adiante. Mais quatro filmes indicados na grande categoria foram apresentados por Lian Neeson. Aí o Ben Affleck entrou, deu um forinha básico no Seth (pelas piadinhas sobre sua carreira) e apresentou o prêmio de documentário. 'Looking for Sugar Man' é o nome do filme vencedor. 

Jennifer Garner e Jessica Chastain apresentaram o prêmio para melhor filme estrangeiro. Roupas? Jennifer estava com um vestido longo, tomara que caia, fucsia. Lindo, se não fosse pela barbatana na parte traseira. É um Gucci. E a Jessica vestia um outro tomara que caia, com decote coração, longo também, lindíssimo, e que lhe caiu como uma luva. Armani. Enfim, vamos ao que interessa. Candidatos da categoria:

Cena de 'Amor'.

  • 'Amor' (Áustria)
  • 'No' (Chile)
  • 'War Witch' (Canadá)
  • 'O Amante da Rainha' (Dinamarca)
  • 'Kon-tiki' (Noruega)

Então, eu não assisti nenhum ainda. Não vou poder comentar os filmes. Mas, Amor está na minha lista,  e vou poder falar sobre ele em breve, ok? Ele foi o vencedor do Oscar, e também estava concorrendo na categoria de melhor filme...

E a homenagem aos musicais teve o John Travolta apresentando. Preciso falar mais? Ok, vou comentar os números musicais irritantes. Sim, por que quem acompanha meu blog há algum tempo, sabe que eu detesto musicais. Entrou o elenco de 'Chicago', na verdade, mais a Catherine Zeta-Jones, se apresentando. E quem disser que foi ao vivo leva uma traulitada minha. Não foi. Ao vivo foi a Jennifer Hudson (do musical 'Dream Girls') gritando feito uma descompensada. E eu concordo com o Simon Cowell, que a vivia criticando quando ela era uma candidata no American Idol. Ela grita demais! Mas foi aplaudida de pé. E 'Dream Girls' é um dos poucos musicais que eu consigo assistir sem me irritar profundamente. E depois de o show de uma mulher só, entrou o elenco de 'Os Miseráveis', ao vivo também, com o Hugh Jackman cantando e encantado. Esse homem é tudo, né? Ainda não vi o filme. Tenho que assisti-lo quando estiver com um bom humor a prova de tudo, pra não detestar só por que é um musical. Todos estão falando bem do filme. Bem, a história é boa... O livro é lindo...  Enfim, o musical deles foi bom, mas seria mais legal se a Jennifer Hudson não tivesse quebrado a banca antes. 

Chris Pine e Zoe Saldana apresentaram o resumo das premiações científicas, que acontece em outra cerimônia que não é transmitida pela tv. E em uma retardada jogada, Seth fez uma piadinha contra seu próprio filme, e foi assim que introduziu a entrada de Mark Wahlberg e do ursinho Ted. Idiota! O ursinho devia ter apresentado o Oscar!!! Bom, como disse antes, não gostei do que vi. o Mark estava sério, pouco à vontade, e foi tudo muito sem graça. Mas ele ficou bastante tempo no palco, pois apresentou mais de um prêmio. Os técnicos pertinentes a som... Por que essa anomalia aconteceu? Pra reconhecer o filme Ted de alguma forma, já que, inexplicavelmente, ele foi uma das maiores bilheterias do ano passado (juro, que apesar de ter Mark, eu não entendo). Vamos prosseguir...

E aí veio o cúmulo da piada. Ao apresentar Christopher Plummer, Seth ficou chamando a família Von Trapp, e todos nós esperamos que a galera entrasse. Era uma piadinha muito sem graça, idiota, retarda... Enfim, coloque adjetivos. Só ficou bom mesmo quando Sir Christopher Plummer entrou e apresentou o prêmio de melhor coadjuvante, com toda sua classe e elegância. Tinha até me esquecido que ele ganhou um Oscar ano passado. De vez em quando a academia acerta, né? Vamos às indicadas?
  • Sally Field ('Lincoln')
  • Anne Hathaway ('Os Miseráveis')
  • Jacki Weaver ('O Lado Bom da Vida')
  • Helen Hunt ('The Sessions')
  • Amy Adams ('O Mestre')
Anne Hathaway, em 'Os Miseráveis'.

Então, das cinco, eu só conferi duas das atuações. Sally Field é boa em qualquer coisa que ela faça. Excelente atriz sempre. O filme 'O Lado Bom da Vida' é muito bom, e ajuda a qualquer bom ator ou atriz a se destacar, visto o conteúdo muito bacana de seu roteiro. Estou reparando que Amy Adams está sempre indicada a alguma coisa nos últimos anos. Uma nova Meryl Streep, talvez? Anne Hathaway levou o prêmio. Legal o capitão da família Von Trapp entregando o prêmio pra neta da Rainha de Genóvia, que em outra vida foi Maria, a babá noviça da família do capitão. KKK! Eu, dando uma de Seth McFarlane! Então, quase me esqueci. O vestidinho de Anne foi muito comentado nos últimos dias. Alguns gostaram muito, outros nem tanto. Eu sou do segundo grupo. Estranhinho o vestido. Fazia biquinho na região dos seios e o tecido, por ser fino, e ter um corte bem coladinho ao corpo, ajudou a ressaltar ainda mais isso. Além das costuras que formavam os biquinhos, os biquinhos de verdade teimaram em dar as caras também! Acho que estava frio, e o vestido tinha um decotão nas costas... Biquinhos saltaram... Enfim... Segundo o que foi apurado, ela escolheu o vestido apenas algumas horas antes do evento. Ela ia de Valentino, e a casa até anunciou isso. Aí, de última hora, ela resolveu pelo Prada... Hum... O diabo não veste Prada, gente. Ele manda suas ex-assistentes usarem em festas onde receberão um Oscar!!! Ai, alguém tira o Seth McFarlane de mim!!!

E aí veio o presidente da academia falar sobre o que eles fazem o ano todo... Tipo, os incentivos aos novos cineastas, os trabalhos com as escolas e todas essas baboseiras que a gente prefere ver acontecer do que ouvir alguém falar. Sandra Bullock, com um vestido todo rendado - literalmente - que eu ainda não consegui decidir se gosto ou não, apresentou o prêmio de edição. Importante, por que, na verdade, a boa edição é aquela que a gente não percebe num filme. O vencedor foi o filme 'Argo'. 

Jennifer Lawrence veio com seu vestido quase todo lindo. Devo confessar que achei a parte de cima brilhante, mas o bolo embaixo exagerado. Ela apresentou a Adele, cantando o tema de James Bond que estava concorrendo à melhor música original. A apresentação foi impecável, como sempre. Adele entende demais de cantar. Não posso dizer o mesmo do guarda-roupas. Ela apareceu com um daqueles vestidos odiosos, que aumentam o quadril - no caso de gordinhas como ela, não é boa coisa -, com o corte nas canelas. Do tipo que deixam uma pessoa baixinha ainda mais nanica. Enfim, a coisa toda foi odiosa. Essa moça precisa de um Personal Stylist. Ou se ela tem um, precisa demiti-lo. 

Nicole Kidman estava linda, como sempre. Não amei o vestido, mas também não o odiei. E ela foi um colírio depois da Adele. Então, ela apresentou mais uma leva dos filmes da categoria final. E só... Mas foi um doce, uma simpatia, e tem gente que sabe fazer jogral, né? 

E aí veio a sem gracisse, a cara feia e a 'não entendo o que os jovens veem nessa moça' da Kristen Stewart, acompanhada do Harry Po... Quer dizer, Daniel Radcliffe. Não gosto da moça. Ela sempre faz uma cara de entediada, uma careta feia que a torna bastante antipática.  Nada contra o Dan. O vestido dela estava bem pobrinho e o fato dela não ter a menor postura - e nem estou levando em conta que ela estava mancando - só torna tudo mais feio. Enfim... Só achei meio que uma mancadinha - sem trocadilho - do Dan não dar suporte, como um cavalheiro deve fazer, à moça enquanto ela mancava feito uma descompensada, segurando a cauda do vestido, correndo para tentar chegar com ele ao microfone. Ah, os jovens... Precisam aprender a ter modos, né? Acho que o Dan não faz questão de agradar as mulheres... O prêmio apresentado foi o design de produção e o filme vencedor foi 'Lincoln'. 

Salma Hayek apareceu com vestido e maquiagem estranhos, para anunciar o prêmios honorários do ano. E logo depois George Clooney apresentando o 'In Memoriam'. Eu gosto muito desta parte do Oscar. Não por causa das mortes, é claro. Mas pelas homenagens as pessoas que fizeram a alegria de muitos de nós. Às vezes tomo alguns sustos, e desta vez não foi diferente... Primeiro eu tenho que expressar sim minha decepção com certos cortes feitos. Todo ano algumas pessoas importantes para o mundo do entretenimento são esnobadas nesta homenagem. A desculpa é a falta de tempo para mostrar todos... Corta os vinte minutos sem graça do apresentador idiota, e coloca a Lupe Ontiveros no 'In Memoriam', por exemplo!!! Achei o fim da picada ela não ter sido incluída. Em 2009 não mostraram Brad Renfro, e esta foi a grande mágoa para mim. Dito isto, não sabia da morte de minha roteirista e diretora favorita, Nora Ephron. Se o nome não lhe é familiar, pense em filmes como 'Harry & Sally - Feitos um para o Outro'; 'Sintonia de Amor'; 'Mensagem para Você'; 'Michael - Anjo e Sedutor'; entre outros. Isto é parte do trabalho dela. Não lembro de ter visto anunciarem sua morte aqui no Brasil. E tomei um susto ao vê-la no 'In Memoriam'. Triste demais... Um dos irmãos Sherman, responsáveis pelas trilhas da Disney nos anos 60, incluindo 'Mary Poppins', também faleceu ano passado... A grande homenagem, porém, foi ao compositor Marvin Hamlisch, amigo pessoal de Barbra Streisand, e compositor de um de seus grandes sucessos, 'The Way We Were' (tema do filme de mesmo nome). E a cantora pisou mais uma vez num palco do Oscar, depois de algumas décadas, para cantar em homenagem ao amigo falecido. Sem comentários sobre ela cantando... Sou uma pobre mortal!

E aí o elenco de Chicago entrou, todos mega bem vestidos, Queen Latifah representando pras gordinhas (linda de viver), para apresentar os prêmios musicais. Começaram pela trilha original (score). O filme vencedor foi 'As Aventuras de Pi'. E aí veio a apresentação do prêmio para a música original. Eu pensei comigo mesma: faltou a apresentação de três indicadas. Cadê? Pois é... Duas não foram apresentadas, simplesmente. Tocaram trechos dela durante a exibição das indicadas, neste momento. Mas nós tentaremos fazer justiça aqui:


  • Before my Time, de "Chasing Ice" – J. Ralph (música e letra)
  • Everybody Needs a Best Friend, de "Ted" – Walter Murphy (música) e Seth MacFarlane (letra)
  • Pi's lullaby, de "As aventuras de Pi" – Mychael Danna (música) e Bombay Jayashri (letra)
  • Skyfall, de "007 - Operação Skyfall" – Adele (música e letra)
  • Suddenly, de "Os Miseráveis" – Claude-Michel Schönberg (música), Herbert Kretzmer (letra) e Alain Boublil (letra)

Recapitulando, Suddenly foi apresentada naquela homenagem aos musicais. Skyfall foi apresentada. E, Everybody Needs a Best Friend, composta pelo apresentador da noite, foi apresentada pela belíssima e competentíssima Norah Jones antes do anúncio do vencedor desta categoria. As outras duas belas músicas foram mostradas no vídeo que mostrava as candidatas. Pois é, o Oscar perdeu a oportunidade de trazer uma cantora indiana para cantar e encantar e abrilhantar a noite... Enfim... Ganhou a música de 007. Pra mim, este ano, todas as músicas eram lindas e tinham tudo a ver com seus filmes. Ah é, tenho que falar que Before My Time foi tema de um documentário!!! Não lembro de ter visto um tema original de documentário concorrendo nesta categoria antes. Legal né? A música é linda!!! Interpretada por Scarlett Johansson. Ah, a Adele apareceu para agradecer com um vestido muito parecido com o da apresentação, mas todo longo, com cauda e tudo. Regenerou, né? Mas era feio mesmo assim. Preto inteirinho, um tecido estranho, sem nenhum decotinho, mangas longas... enfim...

Charlize Theron e seu vestido.
Dustin Hoffman e Charlize Theron apresentaram o melhor roteiro adaptado. Ela estava linda num vestido branco, tomara que caia, bem ousado. Christian Dior. Vamos aos indicados da categoria?

  • Chris Terrio ('Argo')
  • Lucy Alibar e Benh Zeitlin ('Indomável Sonhadora')
  • David Magee ('As Aventuras de Pi')
  • Tony Kushner ('Lincoln')
  • David O. Russell ('O Lado Bom da Vida')
Aí pintou um filme que eu queria comentar: Indomável Sonhadora. Este filme é a coisa mais linda. Conta a história de uma menininha que tenta sobreviver a um pai meio maluco, numa cidade de pessoas malucas, em meio a pobreza, esquecidos pelo poder público, vitimados por tudo quanto é tipo de catástrofes naturais que abalam o sul norte-americano. O filme foca nas relações humanas do lugar, na doideira toda, e principalmente em como esta pequenina se mantém sã no meio de toda essa loucura. É um poema em forma de filme. Vamos falar mais disso depois, ok? Na minha opinião, qualquer um dos indicados que ganhasse estava bom. Apesar de o roteiro de 'As Aventuras de Pi' se tornar um pouco massante depois de uma hora de filme, acredito que o trabalho de David Magee tenha sido bom, por que eu só imagino o que deva ter sido o roteiro original... Enfim, ganhou 'Argo'.

E os candidatos a roteiro original foram:
  • Michael Haneke ('Amor')
  • Quentin Tarantino ('Django Livre')
  • John Gatins ('Voo')
  • Wes Anderson e Roman Coppola ('Moonrise Kingdom')
  • Mark Boal ('A hora mais escura')
Ainda não assisti 'Voo'. Nem 'Moonrise Kingdom'. Nem 'Amor'... Alguém tem dúvida de quem foi o vencedor? Com Quentin Tarantino concorrendo numa categoria dessas, normalmente não resta dúvidas. 'Django Livre' levou, é claro. O discurso dele foi muito legal. Eu gosto desse cara. Ele é maluco, mas é um maluco com atitude. Ele elogiou os atores que deram vida ao que ele colocou no script. Começaram a tocar a musiquinha, mas ele continuou, e fez a orquestra parar. Ele elogiou os roteiristas, e disse que era o ano deles, pela qualidade do que tinha sido lançado. 

E aí veio a Jane Fonda vestida de ovo. Só ela veste ovo e parece a coisa mais linda de uma festa pululada de grifes. É o cúmulo da elegância, e esse ovo com detalhes na altura da cintura é lindo. Versace na cozinha!!! KKK. O Michael Douglas estava ao lado dela, mas ficou pequeno perto da elegância desta mulher. Eles vieram anunciar o melhor diretor. Houve protestos em relação a esta categoria. Até Seth McFarlane passou a noite fazendo piadinhas sobre isso. Ben Affleck não foi indicado, por 'Argo'. Eis quem estava na rodinha:
  • Michael Haneke ('Amor')
  • Benh Zeitlin ('Indomável Sonhadora')
  • Ang Lee ('As Aventuras de Pi')
  • Steven Spielberg ('Lincoln')
  • David O. Russell ('O Lado Bom da Vida')
Ang Lee em entrevista sobre 'As Aventuras de Pi'.

Todos eles conceituados. Um iniciante (Benh Zeitlin). Steven Spielberg na área... Mas levou o Ang Lee. por que dirigir o mar, um barquinho, um tigre e toda a fauna marinha não é fácil. Gosto demais do David O. Russell também. Pro meu gosto pessoal, ele costuma acertar no tom de seus filmes. Gosto do Ang Lee também, nada contra. Ele costuma ser bem corajoso em suas direções. Enfim, basicamente só bons filmes foram indicados, então qualquer um que ganhasse ia ser bacana. 

Jean Dujardin veio apresentar o prêmio para a melhor atriz. Lembram dele? Ano passado ele ganhou o Oscar pelo filme 'O Artista'. Aquele filme mudo, em preto e branco, que surpreendeu todo mundo, e tinha um cachorrinho muito lindo? Pois é... Enfim... Sem bla bla blá, vamos as indicadas? 
  • Naomi Watts ('O Impossível')
  • Jessica Chastain ('A Hora Mais Escura')
  • Jennifer Lawrence ('O Lado Bom da Vida')
  • Emmanuelle Riva ('Amor')
  • Quvenzhané Wallis ('Indomável Sonhadora')

Jennifer Lawrence em cena de 'O Lado Bom da Vida'.
Primeira consideração sobre esta categoria. Temos um recorde batido. A pequena Quvenzhané Wallis (aff, que nome difícil) é agora a mais jovem atriz a ser indicada nesta categoria. A menina tinha cinco anos quando as filmagens começaram. O diretor queria uma menina de seis ou sete anos - acreditem, faz diferença. Ela mentiu no teste de câmera, dizendo ter seis, e assim foi selecionada para fazer o filme. Como disse antes, é um maravilhoso poema. Não tem como não se apaixonar por ela e até mesmo pelo pai dela no filme (aliás, faltou indicação para o ator). Todas as indicadas e todos os filmes (apesar de não ter visto todos) parecem muito bons. Ganhou a Jennifer Lawrence. Como disse antes, este filme ajuda muito o elenco. O roteiro é muito bom, a premissa da história é muito humana e dá pano pra manga. Mas, na minha opinião, não foi a melhor atuação desta moça. Já vi melhores. Enfim... Eu daria o Oscar ou pra baixinha, ou pra Jessica Chastain, que foi fantástica em 'A Hora Mais Escura'. Mas valeu. O vestido com o bolo na cauda da Jennifer Lawrence acabou traindo a moça. Ela tropeçou na escada do palco. E o cavalheiro Jean Dujardin correu e estendeu a mão para tentar socorrê-la. Viu como se faz, Harry Potter? Enfim, acabou virando um bom momento, por que ela soube tirar de letra em seus agradecimentos. Uma graça de menina, realmente. 

Aí, Seth McFarlane vem, e diz que a próxima apresentadora não precisa de apresentações... E sai andando. A melhor do dia, visto que quem entrou atrás dele foi Meryl Streep... Realmente. Eu não gostei muito do vestido, e ela entrou ajeitando o traseiro. Depois justificou, falando que estava pisando no vestido. Enfim... Vamos aos indicados para melhor ator?


Daniel Day-Lewis ou Lincoln?
  • Daniel Day-Lewis ('Lincoln')
  • Denzel Washington ('Voo')
  • Hugh Jackman ('Os Miseráveis')
  • Bradley Cooper ('O Lado Bom da Vida')
  • Joaquin Phoenix ('O Mestre')
Sou fã de todos eles. Gosto demais da conta de alguns deles. Cresci torcendo especificamente por um deles. Mas, apesar do brilhantismo de todos, é inegável a competência de Daniel Day-Lewis em 'Lincoln'. E todos concordaram com isso. Por isso ele saiu com a estatueta. O moço foi mais inteligente nas piadas em seu agradecimento do que o apresentador da noite durante o show todo... Hum... Será que Daniel Day-Lewis pode atuar como Billy Crystal ano que vem?

Jack Nicholson entrou e já estava imaginando que o filme do ano ia ser anunciado por ele. Já é uma grande honra, né? Mas, desta vez, ele chamou um link muito especial para apresentar o prêmio. Diretamente da Casa Branca, a Primeira Dama. Ela estava linda, impecável como sempre. O vestido era de Naeem Khaan. Vamos já abordar a polêmica do vestido e de como ele foi alterado digitalmente para ser exibido nos noticiários do Irã. Gente!!! Os costumes lá são outros, as mulheres não podem exibir tanta pele. Não é que o vestido era muito decotado. Não pros nossos padrões. Michelle Obama estava elegantíssima. Mas, as mulheres do Irã andam cobertas... É isso. Não tem nada demais eles darem uma adaptada pra poder mostrar a notícia... Por que o conteúdo era importante... Não sei se isso foi de caso pensado, mas três candidatos nesta categoria tinham assuntos políticos, e um deles envolvia diretamente o Irã. Então.... Enfim, a Primeira Dama foi chamada, fez um discurso bem bacana e Jack voltou para anunciar os candidatos:


  • 'Indomável Sonhadora'
  • 'O Lado bom da Vida'
  • 'A Hora Mais Escura'
  • 'Lincoln'
  • 'Os Miseráveis'
  • 'As Aventuras de Pi'
  • 'Amor'
  • 'Django livre'
  • 'Argo'


Depois disso, a senhora Obama anunciou o vencedor: 'Argo'. E por isso o vestidinho dela foi retocado nos noticiários do Irã no dia seguinte. 'Argo' conta a história da tomada da embaixada americana no Irã em 1979, por militantes locais. OS Iranianos dizem que o filme não foi tão fiel assim aos fatos. E o fato da Primeira Dama entregar o prêmio de melhor filme para o Ben Affleck (produtor, diretor e ator no filme) pode ter causado uma má impressão... Enfim... Os americanos que se entendam com os Iranianos, né?

Cena de 'Argo'.

A noite acabou com o último musical do apresentador, que poderia, mais uma vez, ter sido dispensado em favor de haver mais tempo para coisas realmente interessantes. E foi isso.... Tem alguém acordado aí, ainda??? Espero que sim. Se quiserem dar as opiniões de vocês  comentem!!! E chega por que eu cansei!!!







JulyN
More ►

22 de fev de 2013

Conceitos, Modelos e Definições.


Oi, gente. Resolvi fazer este post sobre um ocorrido esta semana. Achei pertinente falar sobre este assunto, por que aprendi muito com uma situação em específico, e espero que todos vocês aprendam. Às vezes a vida me reserva professores inusitadamente deliciosos, e salas de aula abençoadas. 

Não vou falar exatamente onde o evento ocorreu, por que não quero ofender ninguém, com uma identificação injusta. Estava eu ao ar livre, praticando um esporte num lugar público. Gosto de visitar os parques e clubes da cidade. Acho que devemos usufruir desses espaços que são mantidos com o dinheiro de nossos impostos. Um dos guardas responsáveis pelo local, enquanto estive lá, paquerou uma outra moça que praticava esportes, fez comentários grosseiros sobre alguns de seus colegas, e manteve um comportamento bastante inapropriado enquanto esteve em seu posto de vigia. Algumas crianças também estavam lá, brincando. E ele as tratava com uma rudeza de fazer desgosto a qualquer profissional que trabalhe em lugares assim, onde a presença das crianças é esperada. Até aí, eu fiquei meio indignada com tudo, mas foi só. Frequento este parque há algum tempo, e foi a primeira vez que vi um funcionário do local com um comportamento inapropriado, e por isso presumi que ele não fosse durar muito tempo no cargo. 

Como sempre vou sozinha a estes lugares, ou com pouca companhia, e os esportes que gosto de praticar exigem um time, acabo sempre me integrando com outros frequentadores. Alguns deles se tornam bons amigos. Uma menina - adolescente - e seu irmão - um pré-adolescente - brincavam juntos e pareciam legais. Puxei conversa com eles, e pouco depois estávamos nós três 'brincando' juntos. Estava tudo correndo bem, quando o guarda que eu já havia reparado antes veio até o menino, desafiando-o a conseguir cumprir tarefas que normalmente são aptidões de esportistas treinados. Em tom de descrença, o segurança fez apostas com o menino, dizendo que ele seria punido se não cumprisse as tarefas. Não entendi muito bem o que estava acontecendo. Mas achei que os dois se conhecessem, então não interferi. O menino cumpriu todas as tarefas, e quando o segurança já ia dar outras tarefas, um outro funcionário veio até o menino e o cumprimentou pela coragem e destreza, encerrando a brincadeira. 'Trato é trato. Ele fez tudo o que se propôs a fazer. O menino é fera. Agora deixa ele quieto aí.

Enquanto os dois seguranças se afastavam do menino, e nós voltávamos para a nossa brincadeira, congratulando o garoto pelo que tinha feito, ouvimos alguns comentários saindo da boca do segurança... 'Claro que ele ia conseguir fazer tudo. É traficante, viciado e ladrão. Isso pra ele é mole!' Neste momento eu vi o sorriso de orgulho que o menino carregava se desfazer. A carinha dele ficou séria, e ele foi para um canto do campo que ocupávamos. Ficou quieto, à sombra. Eu fui até ele, e baixinho, sem que ninguém mais ouvisse, perguntei: 'ele te conhece? Por que falou essas coisas? Não ligue. Não fique chateado. Ficou chato pra ele, por que está todo mundo se perguntando por que um segurança está destratando uma criança. Ele é que ficou mal, e não você.' O menino então me disse: 'eu o conheço. Ele é meu vizinho na comunidade em que moramos. Esse é o jeito dele de brincar. Mas aqui ninguém me conhece, e eu não acho certo ele ficar me chamando dessas coisas que ele falou, por que as pessoas podem pensar que é verdade. E não é! Eu moro na comunidade por que minha mãe não tem dinheiro pra morar aqui nesse bairro chique. Mas ela trabalha e eu estudo e faço tudo igual a todo mundo. Não sou bandido.' Fiquei com muita dó do menino, não por ele ser de comunidade, pobrinho, nem nada disso. Mas senti que ele ficou com muita vergonha, e com medo de ser discriminado por algo que não era verdadeiro. Eu disse a ele que o segurança tinha agido errado, e que era bom que ele aprendesse a não ser igual. Que fosse sempre um ser humano melhor, e que desta forma coisas boas iam acontecer à ele. 

Mais tarde, em outro assunto, dei o troco no segurança, acabei por 'humilhá-lo' diante dos seus colegas. Não gosto de 'dar uma de superior', de cuspir títulos ou de humilhar as pessoas em público, por que não sou melhor que ninguém. Mas certas pessoas merecem... Não é esse o tom da conversa aqui. Fiquei mesmo impressionada com o garoto. Já sabia tudo o que vou falar pra vocês agora. Mas quando vemos acontecer na nossa frente, e comprovamos a teoria, tudo ganha um colorido diferente. 

O sorriso lindo daquele menino tão educadinho, que foi tão respeitoso comigo, e me aceitou na brincadeira dele, se desfez feito um torrão de açúcar na água... E ele ficou realmente preocupado com o que as pessoas em volta iam pensar dele. Por que ali, num espaço público da Vila Clementino, onde ninguém sabe que ele é morador de comunidade, ele se sentia algo mais. Um menino comum praticando esportes. Não que morar em comunidade o torne melhor ou pior que os outros meninos do mundo. Mas infelizmente, pelo que percebi, ele é categorizado desta forma, e as pessoas determinam o tratamento que darão a ele por causa disso. E ele estava certo. Certo demais da conta em dizer que morar na comunidade não é sinônimo de bandidagem. Não tem que ser. Dá pra ser uma criança bacana, educada e feliz na periferia também. 

Conversamos sobre muitas coisas. Ele me mostrou a marca de uma mordida profunda que levou de um cachorro de rua, que vivia nos arredores da casa dele. Perguntei se depois disso tinham sacrificado o cachorro. Ele disse que não, e me olhou com estranheza. 'Eu adotei o cachorro!' Eu achei estranho! 'Você adotou o cachorro que te mordeu?' 'É que eu corri em direção à ele. Eu estava brincando, e corri. E ele é de rua. Já deve ter apanhado muito. Deve ter pensado que eu estava correndo pra bater nele. Então se defendeu. Uns dias depois que ele me mordeu, ele foi atropelado, e quebrou a pata. Eu o levei pra casa, por que mesmo com a pata quebrada ele não parava quieto. Aí botei pra dentro pra ele não ficar vagando, até a pata sarar. E aí sarou, e eu convenci minha mãe a ficar com ele pra sempre. Assim ele não morde mais ninguém. Por que agora que ele é meu, eu aviso as pessoas pra não correrem perto dele, por que ele fica nervoso.

Meu professor! Sabe o que vi neste menino? A consciência coletiva que vivo dizendo que o brasileiro não tem. O amor que os cristãos dizem que têm, e não têm... Numa criança que mora numa comunidade, não frequenta nenhuma igreja, passa boa parte do dia sem a mãe (mas fala super bem dela), que frequenta a escola pública ruim de nosso país... Enfim... Ele vive todas as situações de risco que nós, do alto de nossa falsa sabedoria, julgamos ser ideais para a criação de um marginalzinho  ou, minimamente, de um ser humano folgado, espaçoso e sem noção. E ele é mais educado, mais humano, mais inteligente e mais amoroso do que muitos de nós, do que eu inclusive. Amei este menino, e fui embora fazendo uma oração em minha cabeça, pedindo a Deus que não permita que a dureza da vida torne-o algo diferente do que ele já é. Por que o que ele é, é perfeito.

Hoje, vou voltar ao parque no fim da tarde. Preciso fazer uma hora de atividade física, pois estou precisando melhorar meu condicionamento físico... Talvez o encontre lá, não sei. O que sei é que ontem ele me ensinou muita coisa, e talvez nem saiba o quão inteligente e bacana ele é. termino este post fazendo um apelo a todos. Cuidado com as coisas que você fala pra uma criança. Vamos ter mais consciência, e começar a cuidar de verdade de nossa infância. torço pra que outros pequeninos me surpreendam desta forma, e rezo para que Deus guarde-os a todos do mal que a vida pode lhes trazer. Vocês já imaginaram que bacana este menino citado aqui hoje, um adulto com a mesma característica moral? Não é o que todos nós queremos?







JulyN
More ►

20 de fev de 2013

Eleições 2010 - guia básico para perdidos!

Oi, gente. Em 2010, por ocasião das eleições, eu fiz uma série de posts sobre o assunto. Este foi um deles. Expliquei algumas coisinhas que achei pertinentes. Não sei se ajudei, mas reposto as idéias principais, por que continuo achando tudo importante. Então vamos à nossa humilde aula de 'democracia'?

O que faz o presidente?

Vou explicar aqui a função para a qual alguns canditatos estão concorrendo em nosso país. Ela varia de país para país e de sistema de governo. Mas, aqui, o presidente da república acumula duas funções: Chefe de Estado e Chefe de Governo. Qual a diferença??? Bom, o Chefe de Estado seria o representante maior da nação. É como se você tivesse um grupo de pessoas e nomeasse alguém para falar por essas pessoas e representar seus interesses em reuniões maiores, com outros grupos. Ou seja, o nosso presidente representa a nação em assuntos de interesse internacional... Assina tratados, faz comércio com outros países... Gere a nossa imagem perante o resto do mundo.
O Chefe de Governo é o síndico! Hahaha. É dele a função de gerir o funcionamento do país, internamente. Implantar políticas públicas, por exemplo, é com ele. Aqui no Brasil, o presidente é muito poderoso. Acumula as duas mais importantes funções do poder executivo.

Governador de Estado...

É o presidente de cada estado. Deu pra sacar? Nosso representante. O cara que vai à reunião e fala por nós. Representa o estado nas questões legislativas e jurídicas...


Senador Federal! O que é isso?

O senador federal é o representante de um estado no congresso nacional. Falei grego? Vamos debulhar... O congresso é um órgão constitucional, de âmbito federal, que exerce as funções legislativa e fiscalizatória. Aqui no Brasil também exerce funções administrativas. A pessoa que tem um cargo lá tem como função 'advogar' em nome do estado que o elegeu, proponpo projetos e leis que beneficiem seu eleitorado. Ou seja, um senador por São Paulo, trabalha em Brasília tentando conseguir do governo federal verbas, projetos, leis e assistência que beneficiem os paulistanos.

Deputado Federal! Um inútil que ganha muito e trabalha pouco?

Ok... Primeiro vamos entender o que eles deveriam estar fazendo lá. Existem duas 'casas' que comandam o poder legislativo do país. Uma delas nós já citamos - Congresso Nacional - e a outra vem agora. Trata-se da 'Câmara dos Deputados'. Enquanto o senador 'advoga' em favor de seu estado, o deputado é a pessoa responsável pela elaboração, mantenedura e fiscalização das leis. Ou seja, são eles que têm que redigir, votar, fazer valer, e fazer cumprir as leis do nosso país. Cargo mega importante...

Deputado Estadual... Pra que?

Temos um país imenso. E todo país imenso guarda diferenças em cada lugar. Por isso temos o poder legislativo estadual. Os deputados, neste caso, versam, zelam e fazem cumprir as leis estaduais, cada qual em seu estado. Este órgão onde eles trabalham é chamado de 'Assembléia Legislativa'.

***
Pois bem... Estes são os cargos que estão sendo pleiteados por uma sorte enorme de candidatos. Eu refresquei no teórico, mas o prático continua embolado, não é??? Em quem votar? Como funciona tudo isso junto? Vamos a um recapitula, pra que vocês entendam - ou não - o enorme cabide de empregos do governo do Brasil...

O presidente da república é o representante do povo brasileiro. Perante os outros povos... Por que acumula esta função... E perante os outros poderes do país. Ele diz pros deputados o que o país precisa pra funcionar, e se certifica que o que precisamos será entregue a nós (na teoria...). O governador faz o mesmo a nível estadual.

O senador é o advogado do estado. O que o presidente faz a nível federal, o senador faz a nível estadual. Ele checa com a gente o que precisamos (São Paulo precisa de coisas que a Bahia não precisa e vice-versa), e vai batalhar lá em Brasilia pra conseguir isso do governo federal... Importante!

Pois, tanto o presidente quanto o senador dependem dos deputados para fazerem as coisas acontecerem. Por que são eles que regem as leis e as fiscalizam, tornando as loucuras da cabeça dos outros dois cargos possíveis ou não...

É isso, gente, muito resumidamente de uma ignorante para muitos outros... Espero que meu post ajude um pouquinho, e prometo em breve falar de novo sobre isso (precisamos esclarecer algumas coisas sobre os deputados, né?)!



Um abraço da JulyN
More ►

14 de fev de 2013

Dicas de Inglês para a subrinhada - Aula 03


Verbo 'To Have'



E aí, galerinha. Prontos para mais uma aulinha? Sempre lembrando que minha aulinha por si só não vai fazer ninguém virar um ás do Inglês. Vocês precisam ter interesse no assunto e usar a internet para pesquisar. Não fiquem que nem bobos esperando que o conhecimento simplesmente se crie no cérebro de vocês, viu? Façam por onde...

Vamos lá. O verbo 'To Have' é equivalente ao verbo ter. Entre outras coisinhas que vamos aprendendo à medida que progredimos, ok? Vamos conjugá-lo no presente do indicativo...


Eu tenho
I have
I've
Tu tens
You have
You've
Ele/Ela tem
He/She/It has
He/She/It's
Nós temos
We have
We've
Vós tendes
You have
You've
Eles/Elas têm
They have
They've


A última coluna da tabela mostra a forma contraída do verbo. Muito usada nas formas coloquiais de comunicação. Por isso fiquem atentos ao contexto do que é dito, pois a contração na terceira pessoa é igual a do verbo 'To Be'. 

Vamos a um exemplo: 'I have a car.' Isto significa: 'Eu tenho um carro'. Partamos então para a conjugação do verbo no passado (pretérito perfeito).

Eu tive
I had
I'd
Tu tiveste
You had
You'd
Ele/Ela teve
He/She/It had
He/She/It's
Nós tivemos
We had
We've
Vós tivestes
You had
You've
Eles/Elas tiveram
They had
They've

De novo, é importante ficarmos atentos à contração deste verbo no passado, em termos de contexto, por que há outras palavras que contraídas assumem a mesma forma. Veremos isso mais adiante. Um exemplo para esta conjugação seria: 'She had a boyfriend.' E isto quer dizer: 'Ele teve um namorado.' Há de se ter algum cuidado também nas traduções, por que o verbo pode corresponder a outras palavras em nosso idioma. Um bom exemplo seria a frase 'I had a drink after the match.', que não se traduz 'Eu TIVE uma bebida depois da partida', e sim 'Tomei uma bebida depois da partida'. Percebam que a essência é a mesma. Para beber, é preciso ter a bebida. Mas traduzir ao pé da letra neste caso é estranho e pouco usual. Então, atentem a isso: procurem entender o sentido, o contexto do que é dito em Inglês, e não traduzir palavra por palavra. 

Por fim, o verbo 'To Have' também é usado em construções compostas, sendo ele um verbo auxiliar. Vamos aos exemplos:

I have read that book. -----> Tenho lido este livro. 
I had played tennis ------>  Ele tinha jogado tênis. 

Pra treinar principalmente esta última parte da nossa lição, eu lembrei muito de uma música bem bacana, tema do filme 'Dirty Dancing'. Eis um vídeo com a letra na tela, para que vocês tentem cantar e treinem sua pronúncia. Muito em breve colocarei a tradução da música no 'Addicted to Music', ok?



**********

Vocabulário!


BodyCorpo
HeadCabeça
NeckPescoço
ShoulderOmbro
ArmBraço
ElbowCotovelo
HandMão
FingerDedo
ChestPeito
BellyBarriga
LegPerna
KneeJoelho
Foot (Feet)
NailUnha
MuscleMúsculo
BoneOsso
SkinPele
HairCabelo
BackCostas








JulyN

More ►

13 de fev de 2013

Polêmica que envolve religião...


Então... Esses dias tenho lido muita coisa no Facebook, posts e discussões dos meus amigos acerca de religião, fé, e pessoas ligadas à religião. Por isso achei legal fazer este post, e perguntar a vocês o que acham... Quero mesmo ouvir a opinião de todos, quero saber o que está acontecendo, por que de repente parece que os seres humanos ao invés de se unir em nome de Deus, estão se dividindo... Enfim...

Os primeiros posts foram pertinentes à entrevista de Marília Gabriela com o tal Silas Malafaia... Eu nem sabia quem era esse sujeito antes de ser cutucada e intrigada por vários posts à respeito. Antes de iniciar qualquer discussão acerca de religião, acho bom que eu deixe alguns pontos claros, à meu respeito mesmo. Sou cristã. Leio a Bíblia não como um livro de lei, e sim como a história do povo hebreu. Não sou fanática pelos ensinamentos dela, por que acho que ainda não tenho consciência suficiente para entender completamente o que está escrito lá. Não obstante a isso, sou um ser humano - pecador - cristão. Não me acho responsável por julgar ninguém, ou dizer o que é ou não é certo. Não tenho grandes preconceitos. Também não tenho a pretensão de dizer que sou completamente liberta deles. Alguns eu carrego bem dentro de mim. Acredito que todo ser humano é obra de Deus... Brancos, amarelos, vermelhos, negros, hetero e homossexuais. E em assim sendo, não sou eu quem vai dizer o que eles devem ou não fazer. Deus não veio a mim e nem me escolheu para fazer a faxina na Terra por ele. Não tenho este conhecimento todo. Bem na verdade, nem posso afirmar com certeza que a Bíblia é mesmo a palavra de Deus. A única certeza que tenho é que ele existe, por que eu acordo todos os dias pela manhã e as coisas estão onde devem estar. Pra mim isto é divino. 


Apresentação feita, eis como resolvi escrever este post. Um amigo escreveu no Facebook que pretendia denunciar o perfil desse Malafaia, por que se sentia ofendido com o que ele chama de 'apologia à violência' contra os homossexuais. E pedia que todos fizessem denúncias também, para que o Facebook banisse o pastor. Eu não denunciei, e me justifiquei dizendo que o tal homem tem o direito de se expressar sem sofrer represálias, assim como eu o faço aqui, no meu blog. E que não ia denunciá-lo, a não ser que as ações dele causassem real prejuízo à alguém. Deu-se aí um debate de argumentos, muito bacana, visto que meu amigo é muito inteligente. E eu fiz questão de ler tudo. Finalmente, em dúvida, resolvi procurar a tal entrevista do pastor no youtube, e a assisti. Sinceramente, não ouvi da boca dele nenhuma palavra que correspondesse a incitação de violência nenhuma. Ele, como pastor, tem todo o direito de dizer que na igreja dele certas coisas não se aceitam. E cabe a cada um de nós determinar se quer seguir a fé dele ou não... Fiquei mais determinada a não denunciá-lo, apesar de todos os argumentos do meu amigo. 

Respondo a todo esse furor sobre as declarações do Malafaia assim: se seu filho joga um vídeo game violento, você o chama de assassino??? Você o pune como se ele fosse um assassino? Pois é, na minha concepção ao denunciar o Malafaia no Facebook, estaríamos fazendo exatamente isso: fomentando algo que na verdade não existe. Meu amigo falou sobre Hitler, que também só discursava, no início, e sobre as novas leis na Europa depois dele, para evitar que outro ser humano influenciasse desta forma um grupo de pessoas, e falou das nossas leis que tangem o racismo, que ofensa tem que ser criminalizada em qualquer situação. E eu argumentei dizendo que não concordo com esta lei pra começo de conversa, por que acho que ela mais segrega do que une, nos torna diferentes uns dos outros, quando somos, na verdade, iguais. E que eu acho que se há pessoas que seguem Malafaia, acreditam no que ele fala e colocam em prática, o problema do Brasil não é ele... E sim a ignorância da população...  Foi mais ou menos isso. Meu amigo escreveu vários bons argumentos, mas não vou copiá-los todos aqui. Esperançosamente ele verá meu post, e nos iluminará com a sabedoria dele aqui também. 

Enfim... Este foi o primeiro 'incidente' envolvendo liberdade, fé, religião... O segundo veio com um comentário do meu primo, que, desculpem, vou postar aqui sem dar o nome, pra vocês saberem do que se trata...

"É tão desagradável e chato ver as pessoas postando coisas sobre Deus, fé, "pregando a palavra de Deus", ou até mesmo curtindo coisas do gênero, sendo que está escancarado tamanha hipocrisia! De cara vemos pré/pre conceito e discriminação! Lembre-se q o q importa é o que vc pratica e não o q vc posta!"

E a este post seguiram-se respostas inteligentes em sua maioria, argumentos contra e a favor, e alguns menos iluminados... Vou me explicar. Em algum momento ele atacou a religião de alguém? Não ao meu entender. Aqui ele faz um desabafo à hipocrisia do ser humano, apenas. E se pergunta se a fé não é a capacidade acreditar em Deus, independente do templo que você frequenta  Foi o que eu entendi... O que veio depois disso acabou misturando as bolas. Posts sobre a diferença entre líderes religiosos.

Este é o post!

E aí eu já discordo... E eis minha resposta:

"Mas é aí que as coisas se confundem. Em atacando o líder de uma religião, em detrimento do de outra, a gente deixa claro que a birra é sim em relação a uma religião, e não ao caráter do ser humano em geral. Edir Macedo está rico sim, por que seus fiéis acreditam no pagamento do dízimo. Esta é a crença deles... Alguns dão o dízimo e também são bons cristãos. Ajudam os pobres, participam de obras humanitárias. Outros, pagam o dízimo, e saem da igreja achando que pagaram o lotezinho no céu. E aí saem pecando e sendo soberbos... mas esta é uma falha humana, e não da religião. Nem todo evangélico é ruim, nem todo líder evangélico é picareta... E eu nem sei se o que este aí faz é picaretagem... Ele esconde de alguém que enriqueceu às custas dos fiéis... Há algum fiel dele reclamando??? Não vamos cair no mesmo erro que os Evangélicos ignorantes caem. Não é sobre religião. É sobre a podridão humana."

Enfim... Estas foram as considerações dos últimos dias, mais ou menos. Como a mim me parece ser esta uma discussão mais moral e de cunho humanitário do que sobre religião, pra começar, acredito que seja um bom tópico pra ser pensado e discutido. Será que, em nome de Deus, não acabamos nós mesmos, e não só os muçulmanos e judeus, nos atacando, e nos separando uns dos outros? E para que?









JulyN 
More ►

Democracia e outras idéias...

Oi, gente!!! Este post é meio antiguinho. Estava no blog antes dele ser fechado por algum tempo. Como estou re-postando minhas idéias, e este texto contém algumas delas, espero que me perdoem pela datação de alguns assuntos, e que entendam que quero mesmo é fomentar uma discussão saudável acerca de alguns assuntos. Espero que gostem!


**********


Chegou a hora do resuminho de idéias toscas semanais. Tenho sido assolada por um grave problema em minha vida, desde o final da semana passada: a falta da televisão no quarto! Problemão, vou contar para vocês... Meu quarto é pra mim como um quartel general. Quando estou em casa a única maneira de me ver fora de lá, excetuando os momentos em que a biologia se faz presente, é quando estou aqui, na posição em que estou agora, na frente do computador, falando com vocês. Do contrário, meu quarto é sim o melhor lugar da casa, na minha opinião. Ou era, até algum tempo atrás... Tenho percebido que a grande estrela do show, apesar de eu amar música, é a televisão. O fato de tê-la ali, sempre companheira, disposta a conversar comigo, fazia com que eu adorasse passar dias inteiros (nos fins de semana) trancada no meu casulo, fazendo minhas coisinhas, sem pressa de ver mais nada.


Pois bem... Acho que foi na quinta-feira da semana passada que a minha companheirona de anos (ganhei esta televisão na adolescência) começou a apresentar problemas. O status atual da bichinha é o pior possível: ela não liga!!! O 'stand by' funciona. Mas a tela não se ilumina e o som não vem! Faz uma semana que não passo mais de quinze minutos no meu quarto por vez...

Estando na sala os horizontes se abrem. Assistir tv em outro comôdo torna tudo mais impessoal, mas também te faz pensar sobre coisas que no quarto você não dá a mínima. Estava eu assistindo àquela novela das seis na globo (Escrito nas Estrelas), quando comecei a pensar algumas coisas (toscas, como sempre)... Os espíritas têm uma doutrina muito bonita. Mas não vou versar aqui sobre ela, por que isso exige uma pesquisa prévia. Todo meu conhecimento é empírico, e detesto falar coisas sem ter certeza (a chance de ofender alguém com isso é grande). Então, vou ficar só naquilo que conheço.

Uma das coisas que eles pregam sobre o espírito é o 'livre arbítrio'. Teoricamente poderíamos escolher de um tudo em relação a nós mesmos... Pois bem, aí vem a pergunta... Se podemos escolher, como é possível que destinos estejam escritos, e que almas gêmeas TENHAM que acabar juntas, e que tudo o que vivemos é, inviavelmente  uma reprise de outras vidas, até que o espírito burrinho entenda as coisas que DEUS quer que ele entenda, e possamos nos libertar da vida carnal de vez??? Aonde está o livre arbítrio nisso???

E eu encerro a discussão espírita com essa pergunta. Não vamos nos aprofundar... A não ser que espíritas queiram discutir isso comigo, de maneira bacana, criando outro tópico aqui... Até lá, vamos seguir adiante...

Aí, ainda pensando nessas coisas de escolha, eu fui além nesta semana. Além da tv estar quebrada, venho sendo assolada por um problema de ordem pública: Horário Eleitoral Gratuito. Graças a ele eu tenho hora para tomar banho e fazer outras atividades que encaixava em outros horários do meu dia, por se tratarem justamente daquelas que não era possível fazer na frente da tv.

Algumas pessoas podem se perguntar: como escolher um candidato sem assistir o horário político e saber quais são as propostas deles??? Bom... Minha resposta pra isso é outra pergunta: alguém aí conseguiu fazer um plano de propostas de seu candidadto se baseando no que é dito nos (programas humorísticos) horários eleitorais diários??? Eu não!!! Aliás, falar mal do candidato alheio conta como proposta? Por que se conta, não vou votar nessas pessoas... Se já estão se atacando e fazendo fofoca antes mesmo de se elegerem, imagina depois!

Aí, ainda na linha da escolha, fui mais a fundo nas idéias... Somos uma DEMOCRACIA... Pelo menos é o que nos é dito. Por que, bem na verdade, eu não acredito muito nisso não. Como é que pode, numa democracia, haver obrigatoriedade de um programa televisivo diário? E como é possível, numa democracia, que eu seja obrigada a votar??? Se estou num Estado livre, eu deveria ser livre para decidir o que quero assistir e se quero participar da (palhaçada) eleição.

Ok, ok... Eu já entendi... Somos democráticos o suficiente para deixar um ser como 'Tiririca' se candidatar, fazer uma propaganda onde ele diz claramente que não sabe o que a pessoa que ocupa o cargo que ele está pleiteando faz, e mais democráticos ainda em permitir que a pessoa que é obrigada a votar, vote nele! Parabéns Brasil!!! Quanta liberdade!!!

E, pra quem não sabe o que cada cargo faz (como o Tiririca) e no que está votando, prometo que o próximo post será um real esclarecimento disso... Por que aí sim, adoraria ser uma ditadura e obrigar todos a estudar e pesquisar corretamente, antes de jogar seu voto na (latrina) urna eletrônica!


JulyN
More ►