Ads 468x60px

29 de out de 2013

Chegou a hora de falar de Boyzone... (Parte 03)

Durante o ano de 1997 os meninos gravaram o terceiro trabalho da banda, batizado de 'Where We Belong'. Este álbum consolidou o sucesso do grupo, que finalmente passava a ser respeitado como uma das maiores atrações pop de todos os tempos. O prestígio alcançado pelo grupo, depois de muito trabalho nos álbuns anteriores, garantiu algumas vantagens para este disco. Bons compositores, incluindo os próprios membros da banda, e um direcionamento mais firme quanto à produção do LP. 

O primeiro single deste álbum a ser lançado, em Julho de 1997, foi "Picture of You". Já falamos sobre a música, e a creditamos ao segundo disco em alguns países, não é? Mas para o público do Reino Unido e da Irlanda, esta música passou a ser parte integrante deste álbum, que na época, começava a ser produzido. Na França, uma música no idioma local foi lançada como single em outubro. Tratava-se de "Te Garder Pres De Moi", versão para 'Working My Way Back to You', que contava com a participação de um grupo Francês chamado Alliage. Esta faixa foi incluída no lançamento do álbum na França. 

Em novembro de 1997, o segundo single era lançado. Tratava-se da regravação da famosa 'Baby Can I Hold You', da cantora Tracy Chapman. No mesmo single, era lançada também a faixa 'Shooting Star', um solo belíssimo que Stephen Gately fez para a trilha sonora Irlandesa do filme Hércules, da Disney. O terceiro single foi 'All that I Need', lançado em abril de 1998, um mês antes do lançamento do álbum no Reino Unido. Nesta ocasião, esta era a lista de músicas do LP:


5. "And I
11. "This Is Where I Belong" 
12. "Will Be Yours


Um convite especial surgiu para o grupo no verão daquele ano: gravar uma música de Andrew Lloyd Webber (letra de Jim Steinman) para a trilha sonora oficial de um musical do mesmo produtor, que fora lançado naquele ano. 'Whistle Down the Wind' era uma adaptação do filme de mesmo nome, lançado em 1961. Os meninos pularam na oportunidade, gravaram a música, e a lançaram como single em agosto do mesmo ano. E ela tornou-se a música mais importante da história do grupo. Tratava-se de 'No Matter What'.

Eu queria ser imparcial, mas esta não sou eu. Quem assiste às apresentações ao vivo desta canção percebe claramente o prazer que Stephen Gately sentia ao interpretá-la. A impressão que tenho é que o rapaz estava realizando um sonho ao gravar uma música de um dos maiores produtores de musicais da história. E era com esta música que ele mais brilhava no palco. 

Enfim, o sucesso da música obrigou os meninos a reagruparem faixas para o lançamento do álbum no resto do mundo. Em Novembro, o lançamento para o mercado americano saiu um pouquinho diferente. Além de incluir a música supra citada, os produtores foram espertos ao incluir músicas de compositores americanos, incluindo Diane Warren, considerada a maga das músicas românticas. O single lançado no mesmo mês de 'I Love the Way You Love Me' tentava introduzir de maneira americanizada os meninos a este público tão diferente. A música tinha sido composta originalmente por artistas do universo country, e fora inicialmente gravada em 1993 por John Michael Montgomery. E eis a lista completa das músicas do disco americano:


1. "I'll Never Not Need You" 
4."No Matter What" 
5."Picture of You" 
6."Baby Can I Hold You" 
7."All That I Need" 
8."One Kiss at a Time" 
9."And I" 
10."That's How Love Goes" 
11."Where Did You Go" 
12."Will Be Yours" 
13."Must Have Been High" 
14."You Flew Away" 
15."I Love the Way You Love Me"



Também em Novembro de 1998, uma segunda edição do álbum foi lançada no Reino, incluindo as faixas 'No Matter What' e 'I Love the Way You Love Me'. A versão japonesa do disco, por sua vez, não contava com essas faixas, e sim como 'Never Easy', 'She's the One' e 'Shooting Star'.


O sucesso trouxe dinheiro para jovens inexperientes, e as tensões internas, as brigas de ego e outros fatores começaram a interferir nos relacionamentos entre os meninos. Ronan Keating perdeu sua mãe para o câncer de mama em 1998, e sua família começou a desmoronar depois disso. A bebida passou a fazer parte de sua vida diária, apesar de, no mesmo ano, ele ter ganhado talvez o maior e melhor apoio com o qual ele poderia contar. Ele e Yvonne se casaram em Abril. E, opinião pessoal minha, ela passou a segurar muita barra pesada de seu marido em crise familiar, crise no trabalho, crise psicológia, vício...

O sucesso pode esconder muita coisa, camuflar muitas crises. Além de Ronan, outro membro vivia um impasse pessoal. Stephen Gately era homossexual, e vivia o desespero de não saber se saía do armário ou não. Temia a reação do público feminino do grupo. Temia prejudicar seus companheiros de banda. O jornal sensacionalista 'The Sun', naquele mesmo ano, conseguiu fotografar Steo com seu namorado, ex-membro da banda 'Caught in the Act, Eloy de Jong. E, antes de publicar a matéria, os jornalistas entraram em contato com Gately, para negociar uma entrevista exclusiva. Ele poderia se revelar gay, e parecer seguro e certo de si mesmo para milhões de pessoas, ou o jornal podia simplesmente publicar as fotos, como o grande furo do ano. A escolha era dele. Numa tentativa de minimizar os danos, ele escolheu a primeira opção, e se tornou o primeiro membro de uma boyband a admitir a homossexualidade.



1999 entrava cheio de crises a serem manejadas. Mesmo assim, os rapazes continuaram trabalhando. Eles regravaram uma música originalmente de Billy Ocean, e encurtaram seu título para 'When the Goin Gets Tough'. A música fazia parte do projeto anual 'Comic Relief Telethon'. Foi lançada em março de 1999, e se tornou um grande sucesso. O próximo single lançado foi da regravação de 'You Needed Me', originalmente gravada em 1978 por Anne Murray. No mesmo mês, maio, era lançado o álbum 'By Request', um Greatest Hits que introduziria os fãs ao período gelado do hiato da banda. Para não perder o hábito, foram várias versões diferentes deste LP, em diferentes partes do planeta. A lista principal das músicas era esta:

1."I Love the Way You Love Me" 
2."No Matter What" 
3."All That I Need" 
4."Baby Can I Hold You"
5."Picture of You" 
6."Isn't It a Wonder" 
7."A Different Beat" 
8."Words" 
9."Father and Son" 
10."So Good" 
11."Coming Home Now" 
12."Key to My Life" 
13."Love Me for a Reason" 
14."When the Going Gets Tough" 
15."You Needed Me" 
17."All the Time in the World" 
18."I'll Never Not Need You" 
19."Walk On (So They Told Me)" 

A versão francesa do disco obviamente contava com a faixa "Te Garder Pres De Moi". A versão japonesa contava com mais três músicas: 'Everyday I Love You', 'Will I Ever See You' e 'No Matter' (composição de Keith Duffy). A versão Australiana ainda contava com as faixas: 'I've Got You', 'Let the Message Run Free', 'Get Up and Get Over' e 'Mystical Experience'. Mais tarde ainda naquele ano, um EP com alguns lados b-s de singles foi lançado. As faixas contidas eram: "What a Wonderful World" (com Alison Moyet), 'Love Can Build a Bridge' (com Comic Releaf Supporters), Worlds Can't Describe e Too late Tonight.


Em Julho de 1999, quando o grupo promovia este disco, Ronan foi convidado a gravar 'When You Say Nothing at All' para o filme Notting Hill. E o fez. Lançou a música que se tornou o seu maior sucesso, e com isso dava início a uma muito bem sucedida carreira solo. Este passo dado por ele ajudou a agravar a tensão entre os integrantes do grupo.

Em novembro eles lançaram o single de 'Everyday I Love You', que não fazia parte do álbum lançado no Reino Unido. Foi depois deste lançamento que eles tiveram uma conversa importante, e decidiram se separar por um tempo, à princípio, para que os meninos pudessem buscar seus projetos pessoais. Claro que o desejo de Ronan de se lançar como um artista solo foi determinante para esta decisão... Sua vida pessoal estava bem bagunçada, incluindo até um processo que seu próprio pai movia contra ele. Lidar com os egos de mais quatro pessoas parecia demais naquele momento. O sucesso da música de Notting Hill encheu o moço de expectativas de que conseguiria manter o nível de popularidade sozinho... Em breve vamos falar mais à fundo sobre o Ronan. Por enquanto, paramos por aqui...


Andrew Cowles e Stephen Gately.

O 'término' do Boyzone foi muito difícil para Steo. Ele encontrava naquele grupo o apoio que não recebia da família, por conta de sua condição de homossexual. O namoro com Eloy de Jong acabou sofrendo, bem como a sanidade mental dele. De 2000 a 2002 ele lutou contra a depressão e o vício em drogas prescritas, e teve que tentar forjar uma carreira para si. Foi o primeiro a lançar um disco solo, e alcançou moderado sucesso. É claro que, com a vida pessoal desorganizada, ficava bastante difícil focar no profissional. Em 2003, ainda tentando se recuperar dos baques sofridos, foi apresentado a um empresário da internet, Andrew Cowles, por amigos em comum - Elton John e David Furnish. No final do mesmo ano, os dois casaram em Las Vegas. E, em 2006, oficializaram sua união na Europa. Durante esse tempo, com a calma e firmeza de Cowles, Steo foi se recolocando como um profissional multifacetado, e re-encontrando um equilíbrio. Estrelou musicais, peças teatrais e fez vários trabalhos na televisão. Em adição, tornou-se, relutantemente, um ativista para os direitos civis dos homossexuais. Ele mesmo só queria viver a vida e ser feliz. Mas acabou se tornando um grande expoente do movimento civil.


Os outros integrantes do grupo também buscaram seus espaços. Keith participou de vários programas de tv, como apresentador e participante de games e reality shows. E passou a advogar em prol de uma maior consciência popular em relação ao autismo, depois que sua filha nasceu portadora, em 2000. 

Mike virou ator... Alguns filmes e muitas participações na tv estão em seu currículo. E talvez seja ele o portador da vida pessoal mais organizada, pois priorizou sua atenção para a família durante o tempo em que o Boyzone esteve parado,



Shane se voltou para sua maior paixão: carros. Passou a participar de corridas oficiais, enquanto também aparecia como convidado em vários programas de tv, como uma personalidade. E também teve seus probleminhas com as bebidas... Lynch casou-se em 1998 com Easther Bennett, vocalista do grupo de R&B Eternal. Infelizmente eles já estavam separados em 2000. Ou seja, acrescentava-se ao conjunto de crises do Boyzone mais este probleminha pessoal. O moço se debateu um pouquinho por uns dois anos após o término da banda, até converter-se ao cristianismo e começar a colocar ordem na vida.

As amizades permaneceram. No começo, assim que a banda se separou, houve uma distância inicial natural, para curar as feridas das brigas internas. Com o tempo, também naturalmente, os meninos foram se reaproximando. Keith e Shane colaboraram em algumas composições. Ronan e Steo estavam sempre prestigiando um ao outro em shows e eventos. Mike talvez tenha sido o membro que mais tempo ficou afastado dos outros, e incrivelmente o que menos tinha motivos para isso. Sua natural calma acabou por fazer com que ele simplesmente seguisse adiante com a vida, sem procurar os outros com tanta frequência. Mas eles estavam sempre se falando de tempos em tempos, pois sentiam saudade das boas coisas que a banda lhes proporcionou. A verdade é que eles passaram pelas maiores crises pessoais até então juntos, um dando apoio para o outro. E sentiram falta, depois de um tempo, desta irmandade. Na segunda metade da década passada, as feridas pareciam estar fechadas, e a saudade de uma maior convivência começava a bater...

No próximo capítulo falaremos da volta do grupo!!! Da triste tragédia que se abateu logo depois, e da tenacidade dos rapazes. 







JulyN.
More ►

18 de out de 2013

Instituto Royal, beagles mortos, a pataquada toda!!!

Cedido por Luisa Mell.

Oi, amigos e amigas! Passei uma quinta feira muito da infeliz, e parte dessa infelicidade advinha do fato de eu estar sem computador. Meu windows não iniciava. Nem em modo de segurança. Foi só à noite que tive meu problema resolvido e pude acessar este sagrado mundo pelo qual já estou viciada. Poder escolher o que se vai consumir como informação é uma benção... Ter o mundo literalmente numa tela, é fantástico. Pelo menos parecia ser assim, até que abri o Facebook...

Dentre uma porção de coisas triviais e nem tanto, partilhadas pelos meus amigos de rede social, uma coisa me chamou a atenção. A veterinária da Candy mandou uma postagem à respeito de uma manifestação em frente a um instituto de pesquisa em São Roque, e sobre beagles sendo mortos... Beagles, aqueles cachorrinhos brancos com manchas marrons... Orelhudos, bonitinhos, brincalhões... Esses aí... Enfim, não tinha ouvido falar sobre nada disso antes, e achei meio utópico tentar parar a ação de extermínio dos animais aparentemente no momento em que tudo estava ocorrendo. Mas, como se tratava de cachorros, e é notório que gosto deles, fui pedir ajuda pro amigo Google, para saber o que realmente estava acontecendo... E, basicamente, a tão sonhada liberdade de escolha de conteúdo acabou estragando meu começo de sexta. Aqui estou eu, de madrugada, precisando falar sobre o assunto... 

Logomarca do Instituto Royal.
Vamos lá... Segundo o próprio site da empresa, o Instituto Royal é uma OSCIP (Organização de Sociedade Civil de Interesse Público) dedicada ao desenvolvimento tecnológico e de inovação com forte atuação na área de medicamentos: Citotoxicidade, Toxicologia, Genotoxicidade, Farmacocinética, Segurança Farmacológica, Métodos Alternativos ao uso de Animais. Atenção a este último item! Isto significa que esta empresa trabalha na pesquisa de maneiras alternativas ao uso indiscriminado de animais em testes laboratoriais, como cobaias... É o que eles dizem... E, atenção à sigla OSCIP, por que ela basicamente significa que esta instituição recebe dinheiro nosso para fazer o que faz, seja lá o que for.

Então, que negócio é esse de Beagles estarem sendo mortos lá em São Roque, para esconder provas de falta de ética na lida com animais cobaias, AGORA, neste momento, enquanto escrevo isso???

Pois é! Quem encabeça esta chamada de protesto é a famigerada Luísa Mell... Sim... Enfim, segundo ela, e seu amigo da 'Proteção Animal', há provas documentadas das crueldades pelas quais os animais passam... Laudos e até vídeos de ex-funcionários... Não achei nada disso disponível na internet, e também, depois de uma longa pesquisa, cheguei à conclusão que isso não tem importância, visto que nossa lei permite o uso dos animais em testes industriais. Isto, por si só, deveria ser suficiente para encerrar o assunto. Mas não é! Parece-me que há uma resolução do Ministério da Saúde, condicionando o uso de animais em testes laboratoriais apenas em situação de necessidade, quando disso depender a vida humana. Parece-me muito justo que um lindo Beagle morra, para ajudar nas pesquisas da eficácia e dos efeitos de um medicamento que depois será usado nos nossos filhos... Não. Na verdade, não parece não... Não gosto de imaginar que um cachorrinho, bonitinho e todo cheio de amor pra dar, como a Candy, seja submetido a esse tipo de coisa. Mas esta é uma questão ética. Até aonde é legítimo o uso dos animais em testes químicos? Os medicamentos desenvolvidos através desses testes, não nos fariam falta? Não sei o que dizer sobre este ponto específico. 


O fato de haver (e aí, comprovadamente) uma irregularidade no alvará de funcionamento do Instituto Royal lá em São Roque, começa a levantar mais suspeitas. Ativistas dizem ter fotografado os cachorros acondicionados de forma cruel. E isso sim, a lei proíbe. Você pode injetar coisas toxicas no bichinho, e arrancar partes do corpo dele enquanto ele ainda vive, causando-lhe dores profundas. Mas não pode colocá-lo num espaço diminuto, amontoado com outros animais. Ele tem que ter espaço pra sofrer e chorar as torturas que sofre (silêncio de perplexidade). Então, com isso, justificaria-se uma denúncia de maus tratos e uma possível fiscalização das dependências do local pelas autoridades competentes. E isso foi feito. Wilson Velasco Jr., promotor do Meio Ambiente em São Roque, acompanhou esta vistoria no local. Ele aguarda laudo da visita para decidir se chama o instituto para firmar um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) ou instaurar ação civil pública. Ou seja, o promotor esteve lá, e presumo que enxergue, sei lá... O que vai estar escrito no tal laudo, ele viu... E, mesmo assim, nada foi dito à população até agora, nada foi esclarecido, eu dou meu dinheiro para esta empresa e eles podem estar maltratando Beagles com minha verba, sem que eu tivesse conhecimento disso, e o promotor público, ou seja, o meu promotor, não pode me contar o que está acontecendo? Ah, tá...

Cedido por Luisa Mell.
O caso é que o Instituto não nega que faz testes nos animais. Afinal, é permitido. O que não é mostrado, o que se tenta esconder, é o tratamento dado aos cachorros. Por que aí, sim, dependendo do que é feito, eles estariam incorrendo em um crime. O que chega, em termos de denúncia, por parte dos manifestantes que estão à porta da empresa é que eles se recusam a deixar a população em geral entrar para ver as condições de trabalho do local. Teoricamente, quem não deve, não teme. Outra questão que levanta dúvidas é o fato de, nesta noite, enquanto acontecia o protesto à porta, e funcionários se encontravam dentro do Instituto, houve o momento em que, após o vazamento de informações internas para a rede social Facebook, os celulares foram confiscados de quem estava à trabalho no local. De novo, se não há nada a esconder, por que tanto medo de mostrar? 

Enfim... O caso é que agora temos esse problemão... Cães são usados nas pesquisas deste Instituto. A lei permite, contanto que observados alguns parâmetros éticos. Houve denuncia de que isso não acontece. Houve uma fiscalização, da qual não temos o resultado. O Ministério Público parece fingir que não vê a situação. Manifestantes à porta do local dizem que cachorros foram mortos esta noite, numa tentativa de queima de arquivo. O Instituto não permite a entrada de representantes da população, para averiguar as instalações e os trabalhos... Além de pesquisas para a área de medicamentos, eles também pesquisam aditivos alimentares, e químicos cosméticos. Como podemos ter certeza que os Beagles não são usados nessas pesquisas também? E um dilema ético sobre até que ponto podemos dispôr da vida de outros seres... Dúvidas, dúvidas, dúvidas... 

Quanto aos testes para a indústria cosmética, que é o que acaba sendo o calcanhar de Aquiles das empresas químicas, o grupo de proteção animal Humane Society International (HSI) enviou um relatório ao Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA) pedindo a proibição no território nacional dos testes em animais para cosméticos. Os testes em animais para cosméticos são antiéticos porque causam dor aos animais para o consumo de produtos não essenciais. O relatório fornece evidências que mostram que empresas de cosméticos não precisam testar seus produtos ou ingredientes em animais para inovar. Na realidade, um número crescente de países – os 28 Estados-Membros da União Europeia, assim como Israel e Índia – já baniram os testes em animais para cosméticos. Empresas livres de crueldade associam os testes sem animais já disponíveis, que fornecem resultados mais previsíveis do que os testes que fazem uso de animais, com ingredientes existentes que têm uma longa história de uso em cosméticos.O CONCEA, uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, irá debater o relatório na sua reunião plenária nos dias 23 e 24 de Outubro. A organização HSI está pedindo ao CONCEA para que tome medidas para pôr fim aos experimentos que causam sofrimento aos animais.

Bom, fato é que este assunto precisa ser debatido, amplamente, largamente. Nós, a população, não podemos permanecer alienados e deixar que terceiros com interesses restritos definam o que pode e o que não pode... Nós temos que nos fazer ouvir. Seja qual for sua opinião, faça seu barulho. Só sei que, se eu tivesse uma resposta concreta para tudo, este blog não existiria!









JulyN.


Atualizações!!!
O tempo foi passando, e o assunto continuou pairando. O fato de eu ser sim uma defensora dos animais, de modo geral, faz com que as pessoas me procurem para falar sobre o assunto... Então, acabei fazendo uma postagem esclarecendo meu posicionamento em relação ao fato da empresa AVON, de quem sou consultora, testar seus insumos em animais... Achei pertinente colocar esta postagem no meu blog de vendas de cosméticos e acessórios. Mas como também acredito que o que foi escrito lá acrescenta a esta postagem aqui, eis o link! Boa leitura.
More ►

5 de out de 2013

Chegou a hora de falar do Boyzone... (parte 02)

Então, vamos falar um pouquinho de 'Said & Done'? No segundo semestre de 1994 os meninos trabalharam demais. Entre uma promoção e outra para os singles lançados, eles gravaram o primeiro disco, contando com o auxílio de treinadores vocais e todo um aparato para garantir que meninos selecionados de um anúncio de jornal não fizessem feio. Em Outubro, apesar do sucesso dos dois primeiros singles já lançados pela banda, o disco foi lançado apenas na Irlanda, sem que fosse feito muito alarde sobre isso. E passou um pouco desapercebido, em detrimento do sucesso nas rádios e na tv, com os vídeos lançados. Um mês depois, já no final de Novembro, o Reino Unido foi contemplado com o lançamento. E os Estados Unidos receberam o mesmo privilégio apenas em 1995, depois do lançamento de 'Key to My Life'. 

A pressa em lançar um disco para capitalizar em cima dos meninos, depois de um investimento inicial, fez com este álbum viesse com algumas regravações. E veio daí a fama do grupo de ser uma banda de remakes. 'Working My Way Back to You', foi lançada apenas na primeira versão Irlandesa do disco, sendo que todas as outras impressões já vinham com 'Father & Son', ao invés dela. 'Love me For a Reason' e 'Key to My life' estavam ambas na lista de músicas, que também contava com: 'Together' (original), 'Coming Home Now' (original), 'Oh, Carol' (regravação), 'When All is Said and Done' (Original), 'So Good' (original), 'Can't Stop Me' (original), 'I'll Be There' (original), 'If You Were Mine' (original), 'Arms of Mary' (regravação), 'Believe in Me' (original).

No resto do mundo, o disco foi sendo lançado em 1995, com destaque para os EUA e o Japão. No segundo, o álbum contava com uma faixa a mais, inédita, chamada 'Here to Stay'. Apenas um ano depois de ser lançado no Reino Unido, o trabalho alcançou as paradas de sucesso, sendo cotado nas listas de mais vendidos. Foi um ano de muito trabalho de promoção para o grupo, até que eles conseguissem se solidificar no mercado pop, e ganhar seu grupo de fãs. 

Nos intervalos da promoção do primeiro LP, os meninos entravam em estúdio, já gravando o que seria o segundo disco, 'A Different Beat'. O primeiro trabalho tinha sido um lançamento mais modesto por parte da gravadora, testando mercados um a um, sem muito risco financeiro envolvido. Como os meninos tinham conseguido se estabelecer nos locais aonde o álbum fora lançado, era hora de pensar numa promoção a nível mundial. Na França, no meio de 1995, eles lançaram o single de 'Love Me For a Reason', e ele estourou. Este era o primeiro single do grupo no país. Por isso, a música acabou sendo incluída na versão francesa do segundo álbum da banda... E assim foi, várias versões para o mesmo disco, em vários lugares do planeta, em várias datas distintas, entre 1996 e 1997. Bom demais pra quem é fanático, e pretende colecionar o material da banda, né? (sendo irônica) A lista de músicas do lançamento 'original' era esta: 

1. "Paradise" (original)
2. "A Different Beat" (original)
3. "Melting Pot" (regravação)
4. "Ben" (regravação)
6. "Isn't It a Wonder" (original)
7. "Words" (regravação)
8. "It's Time" (original)
9. "Games Of Love" (original)
10. "Strong Enough" (original)
11. "Heaven Knows" (original)
12. "Crying In The Night" (original)
13. "Give A Little" (original)
14. "She Moves Through The Fair" (música tradicional)

Aí, nunca é tão simples assim, né? Estamos falando do Boyzone... Dentre as várias versões do disco pelo mundo, a japonesa (sempre ela) tinha duas músicas a mais, ambas originais. Era elas 'Angel' e 'What Can You Do For Me?'

Os dois últimos países a receber o lançamento do disco foram a Austrália e os Estados Unidos. Já era 1997, e os meninos já estavam planejando o próximo álbum. Um single foi lançado. A música 'Picture of You' - uma das músicas mais legais do cancioneiro pop - figurou como tema original do filme do Mr. Bean. Era, teoricamente, a primeira música do terceiro LP. O sucesso dela, e os prêmios de composição abocanhados por Ronan, fizeram com que a gravadora resolvesse colocá-la como faixa extra do segundo disco nos dois países retardatários. E o álbum fez muito sucesso nos dois. Além desta faixa, uma outra chamada 'Mystical Experience' foi lançada no mercado americano, na tentativa de fazer uma base de fãs ali. Para bandas europeias, é muito difícil conquistar este mercado. O álbum fez sim muito sucesso na terra do tio Sam, mas por conter a regravação de 'Ben', de Michael Jackson. Não era comum ouvir outros artistas cantando músicas do Rei do Pop, e isto chamou a atenção do público americano.

Eu tive meu primeiro contato com a banda em 1996, quando um amigo comprou 'A Different Beat'. Ouvia muito este disco com ele. Mas não dava muita importância. Era o meio dos anos 90, o grande barato desta que vos escreve era assistir à MTV. E eu cancelava tudo o que tivesse que fazer nas noites de premiação. Inclusive o Europe Music Awards. E, em 1996, além da apresentação de Robbie Williams (que, por si só, já me interessava), eu pude ver o Boyzone, pela primeira vez. Infelizmente eles não cantaram nadinha deles. Fizeram um pot-pourrie da Motown, com o cantor Peter Andre. E iam passar desapercebido por mim, se não fosse um único close no Stephen Gately. A coisa mais linda!!! Apaixonei na hora!!! E corri, no dia seguinte, para a casa do meu amigo, para dar uma maior atenção ao disco que ele tinha...

Em algum momento nesta época, eu realmente não vou lembrar exatamente quando, o Boyzone veio ao Brasil. A impressão que os fãs tiveram dos meninos foi de que eles eram simpáticos, com ênfase no bom trato do público por parte do Stephen Gately. E, apesar de ser o frontman da banda, Ronan se mostrou mais distante. Eu credito isso à comparação... Gately era efusivamente carinhoso com todo mundo o tempo todo. Ronan era mais reservado, tinha um jeitão mais Irlandês. No Brasil, por questões óbvias, Steo se deu melhor. Outra coisa que observo é que Keating foi se soltando um pouco mais com o passar dos anos. Na adolescência ele era mesmo muito cheio de si (não me batam, sou fã do Ronan, olhem o resto do blog, há inúmeras referências positivas a ele).

Por hoje, é isso. Na próxima parte, falaremos da consolidação do sucesso mundial da banda, da honra de gravar uma música inédita de Andrew Lloyd Webber, das brigas internas e da separação que rolou... Fiquem conosco!!!







JulyN
More ►

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988!!! - Parte 01


Bom, galerinha. O título diz tudo. Hoje nossa Constituição completa vinte e cinco anos, e para comemorar a data eu resolvi começar aquela série de postagens que já vinha prometendo. Vamos ler aqui toda nossa Carta Magna juntos, e tentar analisá-la, entendê-la. Claro que não faremos isso em um só texto... Mas este será o primeiro de uma série que espero ajude outros cidadãos a entenderem melhor nosso país e a cumprir com suas obrigações, bem como exigir de maneira correta seus direitos. Vamos a ela?

PREÂMBULO
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

Vamos começar pelo começo. Segundo esta introdução, a Assembléia Nacional Constituinte, imbuída da função de representante do povo, reuniu-se para criar um conjunto de regras que assegurasse de maneira igualitária e sem preconceitos, os direitos de todo cidadão brasileiro, também determinando seus deveres, da mesma forma. Guardem essas palavras, pois elas DEVEM tanger tudo o que vier à seguir. Será que isso acontece?

TÍTULO I
Dos Princípios Fundamentais


Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I - a soberania;
II - a cidadania;
III - a dignidade da pessoa humana;
IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
V - o pluralismo político.

Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

E aí, no nosso primeiro artigo, já fica estabelecido que somos um Estado Democrático de Direito. Teríamos que aprofundar um pouco o termo democracia, e vamos fazer isso em breve, numa postagem só sobre isso. E é nele também que se define que somos um país de pluralidade partidária, ou seja, essa bagunça que temos em nosso quadro político, com não sei quantos partidos, é endossada pela Constituição. Fala-se em soberania, mas eu particularmente acho que este item está aí só para enfeitar por que, na prática, tudo é feito de acordo com os interesses de quem está no poder, e este termo, assim como muitos usados na nossa Carta Magna, é interpretado de acordo com a vontade de quem colocamos - por que este é um fato, nós decidimos quem vai governar - no poder. Mas, um item que gosto muito fala da livre iniciativa e dos valores sociais do trabalho. Isto, pra mim, e alguém me corrija se eu estiver errada, significaria que você, eu, e qualquer brasileiro é livre para trabalhar como quiser, como conseguir, para tentar amealhar sua fortuna. Infelizmente, uma série de outros capítulos, parágrafos, artigos e itens depois disso, fica um pouco difícil colocar este item completamente em prática, sem encontrar uma série de barreiras... E há o item que fala da preservação da dignidade humana. Isto é o que é! Guardem que está na lei. A preservação da dignidade humana é um preposto desta Constituição... No parágrafo único deste primeiro artigo há um negócio muito legal, na minha opinião. Diz-se que o poder emana do povo, através de representantes eleitos, ou DIRETAMENTE!!! Agora, se isto é fato, então muita coisa deveria estar mudando, só pela pressão popular, não é? 

O segundo artigo constitui os 3 poderes da União... E determina que eles são independentes entre si. 

TÍTULO I
Dos Princípios Fundamentais


Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
II - garantir o desenvolvimento nacional;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:

I - independência nacional;
II - prevalência dos direitos humanos;
III - autodeterminação dos povos;
IV - não-intervenção;
V - igualdade entre os Estados;
VI - defesa da paz;
VII - solução pacífica dos conflitos;
VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo;
IX - cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;
X - concessão de asilo político.

Leiam com atenção o artigo terceiro, pois ele versa sobre os objetivos - que podem ser admitidos como obrigações - da nossa República. E, basicamente coloca nas costas do país a obrigação de ERRADICAR A POBREZA - e não sei como o Lula não usou essa justificativa tão certa para falar em 'Bolsa Família', e calar a boca de pessoas como euzinha -, promover a justiça, fomentar a igualdade social, racial, religiosa, sexual, entre outras, e coibir QUALQUER TIPO DE DISCRIMINAÇÃO. 

Então, segundo este trecho, não é que eu não dê a mínima para a sua opinião pessoal. Eu até dou. Mas se você não gosta de negros, por qualquer motivo que seja, nossa LEI não lhe dá o direito de hostilizar um negro em locais públicos, nem privá-los de qualquer direito que a Constituição garante a QUALQUER cidadão nascido no Brasil, ou portador de identidade nacional. Desculpe aí se a sua opinião vai ter que ficar para você, e o máximo que você poderá fazer é evitar a convivência com os negros, se você não gosta deles. Afinal de contas, este é o direito que lhe cabe. O mesmo eu devo falar para os cristãos, tão fervorosos em suas campanhas contra os homossexuais. Não gosta deles? Guarde pra vocês! Por que no meu país, a lei garante igualdade de direitos. Não interessa se eles são coisas do demônio... Neste caso, eles são coisas do demônio nascidas no Brasil, e com forma de ser humano. Então, a dignidade, o direito a liberdade de ser o que ele quiser, e o direito de ir e vir livremente sem que seja humilhado (dignidade humana) pelas ruas está garantido. Suas ofensas verbais constituem humilhação por 'escolha' sexual, e não serão toleradas no âmbito público, sem que tenham sido provocadas de alguma maneira. E, sim, eles são livres para expressarem seu amor em público. Assim como você também é. O direito que lhe cabe, de acordo com este artigo do primeiro título da nossa Constituição garante esse direito a todos nós, inclusive aos demoníacos, aos doentes, aos possuídos e aos amaldiçoados. Então, use sua liberdade de expressão em locais particulares, como o seu templo, ou sua casa, aonde, aí sim, você pode falar o que quiser, sem ofender ninguém. 

TÍTULO I
Dos Princípios Fundamentais


Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:

I - independência nacional;
II - prevalência dos direitos humanos;
III - autodeterminação dos povos;
IV - não-intervenção;
V - igualdade entre os Estados;
VI - defesa da paz;
VII - solução pacífica dos conflitos;
VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo;
IX - cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;
X - concessão de asilo político.

Parágrafo único. A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações.

O artigo quarto versa sobre nosso papel no cenário mundial. Fala em autonomia, respeito aos povos, busca de solução pacífica para conflitos, NÃO-INTERVENÇÃO, e concessão de asilo político. Acho essas duas últimas bem importantes e bem relevantes para o cenário mundial que vivemos atualmente. Não podemos, e isso é bom que se saiba, como os EUA, invadir países com nosso exército, e intervir em sua soberania, com a desculpa esfarrapada de libertar a população de qualquer regime político. E estou de acordo com isso. Cada povo que se resolva com seu governo. Não colocar os interesses comerciais acima da dignidade de um povo constituído é de suma importância e de um bom gosto ímpar, na minha opinião. O segundo é uma questão humanitária minha. Já que não vamos intervir para salvar uma população que não se salva sozinha, ao menos podemos dar asilo às vozes solitárias que lutam para melhorar suas condições, né? Enfim... Gosto que sejamos o país colorido que somos, aonde todos os povos, e todas as culturas, são realmente bem vindos. Utópico, né? Mas este é o motivo pelo qual me orgulho mais em ser brasileira. Nossa capacidade de absorver e integrar, ao invés de segregar. E, talvez por isso, lute tanto para que isso aconteça internamente também, entre brasileiros de credos, cores e ideologias diferentes. 

E, no parágrafo único, o Mercosul é previsto - KKK.

Acho que o texto está bem longuinho, por hora, não é? Eu sei, ainda temos um caminho longo pela frente. Vou tentar atualizar estas postagens mais de uma vez por semana, para que nós possamos concluir esta leitura juntos o mais rápido possível. Espero estar fomentando esta vontade em vocês de ler, conhecer nossa lei, e praticar a boa cidadania. Não podemos exigir isso dos governantes, se não temos isso em nós mesmos. 







JulyN.
More ►