Ads 468x60px

18 de fev de 2014

Do you think you live in Switzerland? - Public transportation in SP.

Today I start a series of cool posts - I'm being sarcastic - about the infrastructure of our beloved São Paulo, and the human material found here. (Moment of silence for contemplation of doom.) I Decided to make this series recently, after going through several sui generis situations going from home to work and vice versa. And I'm talking only about 2014. Last year had a lot too, and some of them I have outlined here on the blog. So, there's a lot to be ashamed of. 

2014 promised to be better. Soccer World Cup, people trying to learn some new things to receive tourists, things settling ... Only not! (Shamelessly paraphrase Otário Anonymous.) I started the year working hard, having to take the bus and subway to get to the job... I live in São Paulo... These are the ingredients for the hell on earth!

Many people ask me why I prefer to take the bus instead of the subway . Well , I have observed that people in buses , in general, are more educated with each other than the people of the sub. The second group seems to be more stressed and always late, and less happy than the first. Although the first group is noticeably poorer people. You see, it's not the money that guarantee happiness! Well , in my first week of work in 2014, I decided to make a Paulistana (person born and raised in São Paulo) and save time using the subway. This idea lasted two days... Getting squeezed on a train underground without access to daylight, having to deal with the lack of education of the people around did not please me . See an old lady being pushed off the wagon , because an idiot with some serious cognitive problem needed to go down on that station did not appeal to me . I gave up this life in two days, because I don't have the money to buy a bazooka - a dream of consumption from some time now. Not to mention that all the time I saved on the transportation, ended up being spent on the walks to get to the subway stations.

Bus became the solution. Very good to be in a airy vehicle with less sullen people around me, usually nicer than the ones at the subway. The possibility of going down if something bothered me ... And, incredibly, the possibility to make the journey sitting. Besides catching two buses I can go virtually from door to door, without too much walking. Everything perfect! Or maybe not?

The first event that started to bother me regarding the buses was the changing of the place where the second bus that I take home is located . Now we get into the Ana Rosa Terminal, without any signaling and without a proper space. That accumulation of people from three lines , and the lack of coordination to ride queues drives me crazy . Everything was following its course, exits from the bus going every fifteen minutes, which made ​​me less upset to stay standing there with that bunch of people desperate to get home . After all, I was in the same situation . One day I got in line . Asked girl in front of me if it was the line for the X bus, and she confirmed . I was behind her. Time to crawl , a lady pushed me , and said he was in line in front of me. WTF?!? All the time this lady was in a snack bar, near the queue, eating, never in line, indicating she was going to take that bus. I called her a rude , for pushing me , and she said that I was poorly educated, for stealing her place in the queue . This was my moment of wanting a bazooka again. Jesus , I just wanted a bazooka! But I had to take a deep breath. I wanted to go home.

Isolated case. I ignored it, and went happily sitting home. A few days later the bus delayed his departure. People kept entering. Apparently the subway had a problem, and people were looking for alternatives. Okay, what to do. Isolated event, subway can present problems ... Everyday??? Because suddenlythat's what started to occur. There were always a crash somewhere and that overloaded the bus system. And going back home became slightly more stressfull, as well as reaching the job.

Alright, let's surpass that. What else can go wrong? Oh yeah, spirits of pigs - a very common breed in São Paulo - can burn some buses, forcing utilities to relocate part of fleets of other lines to suply the defalcated. Suddenly the bus that left every fifteen minutes started to have a half-hour gap. Seriously, a bazooka would make me immensely happy. A helicopter with a driver, and a house with helipad too.

Well, let's get over it, because I still travel sitting in the bus, and I walk far less than I would with the subway. Even when I get sopped for forty-five minutes in  a very hot day in traffic in front of the gate of hell - also known as São Paulo Hospital - smelling my house, with a quarter mile between us. I forgave the system when, in the rain, the windows had to be all closed, and I started having an allergic attack because of a deodorant called Avanço, very popular among poorer people. I do not understand what it is that this people think the deodorant can do some good in a sweaty dirty body after 8 hours of work. It doesn't work like that people. As my friend Jefferson says, it is the armpit sport smell. And that brings me to an asthma attack! And makes me unhappy as well! And when I'm miserable I like to eat chocolate, drink coke and fire with bazookas! There was none of those thing on the closed bus, in the rain, smelling armpit sport!

All right. I got home, I took anti-allergic, I went to rest ... And I tried to forget the horror of that day. Then the next day, I took an oxcart. Because that driver may only have bought the driver's license, and should be the type that takes drips at breakfast! After much shaking, I got to sit. But that does not mean the trip was more comfortable for me. I felt every pebble in the street, and every time the bus braked I saw the front seat from up close. Total stress. I thanked God when I got off the bus alive. Five people have fallen along the way. And yes, we complained. That day a bus made the news after climbing a corolla car and killing the two occupants... I started to get nervous. But I went back in one piece to my home at the end of the day. It was only the next day I got another donkey driving. But then I was prepared: coffee candy to stay awake and prevent my nose to end up rubbing the bus floor...

And then, here's my life now: I spend an hour and a half or so in the packed adventure on the bus, with the heat, the rain, the donkey driver, total stress, pain and willingness to use a bazooka, to get to work, and I face it all back on, plus the armpitsport smell and the vision of the gate of hell for forty-five minutes. One day, on the spot, I remarked to a lady about all this, and said that Haddad (our Mayor) had worsened things a little with the change of a few lines, because now we have to catch two buses for short trips. And we talk about young people sitting in the seats reserved and not come out when it is necessary ... I spoke of my indignation. And she asked me: Do you think you live in Switzerland?







JulyN.
More ►

Você pensa que mora na Suíça? - Transporte público em SP.


Hoje começo uma série de postagens bacanas - estou sendo sarcástica - sobre a infraestrutura da nossa querida São Paulo, e o material humano que encontramos aqui. (Minuto de silêncio para a contemplação da desgraça.) Resolvi fazer esta série recentemente, depois de passar por várias situações sui generis nos caminhos de casa pro trabalho e vice e versa. E estou dando conta só de 2014. O ano passado teve muita coisa também, e algumas delas eu expus aqui no blog. Vamos relembrar?


Isso é por alto, por que nem sempre eu conseguia tempo de escrever o que aconteceu em 2013 pra me fazer acreditar que moramos mesmo numa fábula... 2014 prometia ser melhor. Ano de Copa, as pessoas se instruindo um pouco mais para receber os turistas, as coisas se ajeitando... Só que não!!! (Parafraseando descaradamente o Otário Anonymous.) Comecei o ano trabalhando muito, tendo que pegar busão e metrô para chegar até o serviço... Eu moro em São Paulo... Esses são os ingredientes para o inferno na Terra!

Muita gente me pergunta por que prefiro pegar o busão ao metrô. Bem, pude observar que as pessoas no busão, em geral, são mais educadas umas com as outras do que o povo do metrô. O segundo grupo parece ser mais estressado e mais atrasado, e menos feliz do que o primeiro. Apesar do primeiro grupo ser de gente visivelmente mais pobre. Como percebem, não é o dinheiro que garante a felicidade! Pois bem, na minha primeira semana de trabalho, em 2014, resolvi dar uma de Paulistana e economizar tempo usando o metrô. Esse pique durou dois dias... Ficar espremida num trem debaixo da terra, sem acesso a luz do dia, tendo que lidar com a falta de educação das pessoas em volta não me agradou. Ver uma velhinha ser empurrada para fora do vagão, por que um idiota com algum problema cognitivo sério precisava descer naquela estação também não me apeteceu. Desisti dessa vida em dois dias, por que não tenho dinheiro pra comprar uma bazuca - um sonho de consumo de uns tempos para cá. Fora que todo o tempo que eu economizava no transporte, acabava gastando nas caminhadas para chegar as estações de metrô. 

O ônibus virou a solução. Muito bom andar num veículo arejado, com gente menos emburrada me acompanhando, pessoas normalmente até bem educadas... A possibilidade de descer se algo me incomodasse... E, incrivelmente, a possibilidade de fazer o trajeto sentada. Fora que em pegando dois ônibus eu vou da porta de casa à porta do trabalho, praticamente. Tudo perfeito! Ou será que não?

O primeiro evento que passou a me chatear em relação ao busão foi a mudança de lugar no ponto do segundo ônibus que eu pego pra voltar pra casa. Agora ficamos dentro do Terminal Ana Rosa, sem nenhuma sinalização, e sem espaço próprio. Aquele acúmulo de gente de três linhas, e a falta de coordenação para se montar filas me deixa louca. Estava tudo seguindo seu curso, saídas dos ônibus de quinze em quinze minutos, o que me deixava menos chateada de ficar lá em pé, com aquele bando de gente desesperada pra voltar pra casa. Afinal, eu estava na mesma situação. Um dia eu entrei na fila. Perguntei pra moça à minha frente se era a fila do busão X, e ela confirmou. Fiquei atrás dela. Na hora de subir, uma senhora me empurrou, e disse que estava na fila, na minha frente. HEIN?!? Todo o tempo esta senhora esteve fora da fila, na barraquinha de lanches, comendo. Eu a chamei de mal educada, por ter me empurrado, e ela respondeu que a mal educada era eu, por roubar o lugar dela na fila. Este foi meu momento bazuca do buzão. Jesus, eu queria só uma bazuca!!! Mas tive que respirar fundo. Queria voltar pra casa. 

Caso isolado. Ignorei, fui sentadinha pra casa, numa boa. Alguns dias depois o ônibus atrasou sua saída. Não parava de entrar gente. Aparentemente tinha ocorrido algum problema no metrô, e as pessoas estavam buscando alternativas. Tudo bem, fazer o quê. Evento isolado, metrô pode apresentar problemas... Todos os dias??? Por que foi isso que começou a ocorrer. Sempre havia uma pane em algum lugar que acabava sobrecarregando a malha rodoviária. E a volta pra casa se tornou um pouco mais cansativa e estressante, bem como a ida para o trabalho. 

Tudo bem, vamos superando. O que mais pode dar errado? Ah, é, espíritos de porcos - uma raça muito comum em São Paulo - podem queimar ônibus pela cidade, obrigando as concessionárias a relocarem parte de frotas de outras linhas para atender as desfalcadas. De repente o busão que partia de quinze em quinze minutos, passou a ter um intervalo de meia hora. Sério, uma bazuca me faria imensamente feliz. Um helicóptero, com motorista, e uma casa com heliporto também. 

Bom, vamos superar, por que eu ainda viajo sentada no busão, e ando bem menos do que de metrô. Mesmo quando fico quarenta e cinco minutos, num dia de mais de 30 graus, parada  num congestionamento na frente do portal do inferno - também conhecido como Hospital São Paulo - sentindo o cheiro da minha casa, com uns quinhentos metros entre nós. Eu perdoei quando, na chuva, as janelas tiveram que ser todas fechadas, e eu comecei a ter uma crise alérgica por conta do Avanço. Eu não entendo qual é a desse povo que antes de sair suado e acabado do trabalho, eles tiram o Avanço da mochila, se besuntam, e acham que isso vai resolver tudo. Não resolve!!! Como diz meu amigo Jefferson, fica com cheiro de cecê sport. E isso me provoca crise de asma!!! E me deixa bem infeliz!!! E quando eu estou infeliz eu gosto de comer chocolate, tomar coca-cola e atirar com bazucas!!! Não tinha nada disso no busão fechado, na chuva, no congestionamento, com Avanço!

Tudo certo. Cheguei em casa, tomei anti-alérgico, fui descansar... E tentei esquecer o horror daquele dia. Aí, no dia seguinte, peguei um carro de boi. Por que aquele motorista só pode ter comprado a carteira, e deve ser do tipo que toma pinga no café da manhã!!! Depois de muito chacoalhar, eu consegui sentar. Mas isso não significa que a viagem foi mais confortável pra mim. Senti cada pedrinha da rua, e cada vez que o busão freava eu via o acento da frente bem de perto. Tensão total.  Agradeci à Deus quando desci viva do ônibus. Cinco pessoas caíram durante o trajeto. E sim, fizemos queixa. Naquele dia teve o caso do busão que escalou o Corolla... Comecei a ficar apreensiva. Mas voltei pra casa inteira. Foi só no dia seguinte que peguei outro jegue ao volante. Mas aí estava preparada: bala de café pra não dormir e acabar com o nariz no assoalho do busão...

E, então, eis a minha vida agora: eu passo uma hora e meia mais ou menos na aventura do busão lotado, no calor, com chuva, jegue ao volante, tensão total, dor nas costas e vontade de usar uma bazuca, para chegar ao trabalho, e enfrento tudo isso na volta, acrescido do Avanço e a visão do portal do inferno por quarenta e cinco minutos. Um dia, no ponto, comentei com uma senhora sobre tudo isso, e disse que o Haddad tinha piorado um pouquinho as coisas, com a mudança de algumas linhas, por que agora temos que pegar dois ônibus para trajetos curtos. E falamos sobre os jovens que sentam nos assentos reservados e não saem quando é necessário... Eu falava da minha indignação. E ela me perguntou: Você pensa que mora na Suiça?







JulyN.
More ►