Ads 468x60px

4 de mar de 2016

Condução Coercitiva... Novo termo para o nosso vocabulário...

Ex-presidente Lula. Foto cedida por Isto É Independente
Olá, amigos e amigas. Tudo belezinha com vocês dentro do possível? Espero que sim... 

Amanhecemos com a cidade de São Paulo em polvorosa hoje. Nosso ex-presidente, Lula, foi levado pela polícia federal de seu apartamento em São Bernardo do Campo, para o aeroporto de Congonhas, na capital, para prestar depoimento e esclarecer a origem de um dinheiro alto que ele teria recebido de empresas investigadas na Operação Lava Jato. Mas, por que este depoimento causou tanto furor? Bom... Ele já havia sido chamado a depor, e não compareceu. E aí, a justiça expediu, por conta de provas que dizem possuir, mandados de busca nos vários endereços em vários estados da união, ligados ao Lula, bem como seu apartamento em São Bernardo, e uma tal de condução coerciva, que obriga o nosso ex-presidente à comparecer em um depoimento. E foi por isso que Lula aparentemente hoje foi acordado pela polícia federal em sua porta.

Não vou exprimir minhas opiniões pessoais à respeito dele, do partido dele, do que foi feito de nosso país nos últimos 14 anos. Acho que não precisamos disso agora. Deixemos que a polícia investigue o que tem que ser investigado. 

Aqui, além da extensão vocabular proporcionada por esta manhã atípica pra quem mora em São Paulo, queria pontuar algumas coisas que vi através do noticiário... Dois grupos distintos de pessoas estavam na porta do aparatamento de Lula. E, no aeroporto... Os contra nosso ex-presidente, e os a favor. O que tem em comum esses dois grupos? Ambos são formados por brasileiros. Ambos são compostos por gente desocupada, pois hoje é sexta, não é feriado, e o país está em crise. Não sei vocês, mas eu preciso trabalhar pra pagar as minhas contas - e, apesar de estar escrevendo este texto, estou de plantão do trabalho da semana. E, ambos os grupos, compostos por pessoas incultas que emburrecem quando estão estão em grupo. 

Enquanto Lula era conduzido para o aeroporto, colocado numa sala confortável, protegido pela polícia federal, e ouvido em todas as suas considerações sobre esta situação - até por que a Constituição garante esse direito à ele - esses dois grupos estavam nas ruas com cartazes, instrumentos, fogos, tudo pago pelos próprios bolsos, se enfrentando, se batendo, causando tumulto, estragando patrimônio público e impedindo os trabalhadores de seguirem para seus postos... Deu pra entender o que quero dizer? 

Um famoso 'pra que' se faz presente em meus dedos, agora. 

Aí, ainda assistindo ao noticiário, vi policiais tentando apartar brigas, tentando conter a multidão, tentando botar ordem na bagunça. Assustados, talvez pensando: aonde fui amarrar meu burrinho? Para eles, meus respeitos, por que também estão trabalhando nesta manhã de sexta, tentando ganhar um dinheiro honesto, para pagar suas contas e seus impostos, que serão roubados sem o menor pudor por pessoas como Lula. Por que, não se iludam... Lula não é o capeta. Não existe um único pai nesta facção. O capeta não estaria sendo conduzido coercivamente à prestar um depoimento. Provavelmente o capeta nos roubou no passado por anos, e ainda goza de sua liberdade, dos milhões roubados e do prestígio político... Consigo pensar em alguns políticos que se enquadram nesta descrição. Família grande essa do capeta, pensando bem... Capeta é o sobrenome.

Respeito aos policiais esta manhã. E minha torcida para que os desocupados incultos não acabem machucando nenhum deles. 



JulyN.

0 comentários:

Postar um comentário